Dólar abre o dia com aumento ante o real

Getty Images
Às 10h23, o dólar avançava 0,54%, a R$ 3,8427 na venda

O dólar está subindo hoje (26) ante o real, apesar do monitoramento do cenário internacional mais calmo depois que os líderes europeus fecharam acordo para o Brexit e sinais de que a Itália pode reduzir sua meta de déficit orçamentário para 2019.

LEIA MAIS: Dólar sobe ante real pela 4ª semana seguida

O noticiário político doméstico também permanece no foco, com os investidores em busca de novidades sobre o futuro governo Jair Bolsonaro.

Às 10h23, o dólar avançava 0,54%, a R$ 3,8427 na venda, depois de terminar a última sessão em alta de 0,41%, a R$ 3,8222. O dólar futuro registra alta de cerca de 0,35%.

“O que está faltando aqui é fluxo, por isso o dólar não está caindo”, explicou o diretor da consultoria de valores mobiliários Wagner Investimentos, José Faria Júnior, lembrando que no final do ano é natural haver saída de recursos do país, já que as empresas os remetem às suas matrizes. “Além disso, a agenda ainda está bastante intensa nesta e na próxima semana, sobretudo nos Estados Unidos, com os investidores procurando pistas sobre a trajetória de juros do Fed”, completou.

O banco central dos EUA divulgará na quinta-feira (29) a ata de seu último encontro de política monetária. Ele também se referia à expectativa em torno da reunião entre os presidentes norte-americano, Donald Trump, e chinês, Xi Jinping, na cúpula do G20 no final desta semana, com expectativa de que possa ser costurado um acordo que dê fim à guerra comercial dos dois países.

A expectativa sobre a trajetória dos juros pelo Federal Reserve tem permeado os negócios, com os temores de enfraquecimento da economia global reforçando a leitura de que o banco poderia ser mais suave nos aumentos da taxa. A expectativa, por ora, é de mais cinco aumentos até o início de 2020, sendo o de dezembro o quarto deste ano.

VEJA TAMBÉM: Dólar tem leves oscilações monitorando exterior

Com o juro mais alto nos EUA e estável no Brasil – a pesquisa Focus de hoje trouxe perspectiva menor para a alta da Selic em 2019 –, o diferencial de juros entre os países também ajuda a sustentar a trajetória de alta da moeda ante o real.

“O local vem sustentando a bolsa e os DIs, mas no dólar falta estrangeiro”, disse Faria Júnior ao destacar que o investidor internacional “está com receio com o mercado de riscos”. “Não necessariamente com o Brasil, mas nosso cenário político também contribui para não gerar mais atratividade”, acrescentou.

Ele se referia à expectativa dos investidores pela aprovação de reformas no próximo governo e à formação da equipe, considerada técnica mas que pode dificultar as negociações políticas para as reformas.

No exterior, o dólar caía ante a cesta de moedas, com destaque para a alta do euro após acordo entre União Europeia e Reino Unido para o Brexit e sinais da Itália de que poderia mudar sua meta orçamentária para 2019.

Ante as moedas emergentes, o dólar estava misto, em alta ante o peso chileno e queda ante a lira turca.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 13,6 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de dezembro, no total de US$ 12,217 bilhões. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).