Dólar avança 1,99% e fecha a R$ 3,83

Getty Images
Moeda norte-americana volta ao patamar de antes da eleição presidencial

O dólar terminou o dia (13) no maior patamar em mais de um mês ante o real, sob influência da piora externa com o tombo dos preços do petróleo e ainda com os investidores atentos ao noticiário doméstico, após indicações do presidente eleito Jair Bolsonaro sobre inviabilidade de votação da reforma da Previdência neste ano.

LEIA MAIS: Dólar tem leves oscilações ante o real

A moeda norte-americana avançou 1,99%, a R$ 3,8313 na venda, maior patamar desde 5 de outubro, último pregão antes do primeiro turno das eleições, quando terminou em R$ 3,8570. Na mínima, marcou R$ 3,7542 e, na máxima, R$ 3,8323. O dólar futuro tinha alta de 1,21%.

“Petróleo, exterior e feriado”, resumiu o operador da Advanced Corretora Alessandro Faganello para justificar a alta do dólar ante o real nesta sessão.

Profissionais comentaram ainda que um fluxo pontual de saída de recursos ajudou a pressionar o dólar, bem como a liquidez mais enxuta por causa de dois feriados, na quinta-feira (15) e na próxima terça-feira (20).

Os preços do petróleo tombaram nesta sessão, com queda de mais de 6%, devido a preocupações sobre o enfraquecimento da demanda global, excesso de oferta e vendas em outras classes de ativos, incluindo ações.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pressionou ontem (12) a Organização dos Países Exportadores de Petróleo a não cortar a oferta para sustentar o mercado. Isso veio depois dos relatos de que a Arábia Saudita estava considerando um corte de produção na reunião da Opep em dezembro, com o aumento do alarme de que a oferta começou a superar o consumo.

VEJA TAMBÉM: Dólar sobe ante real e fecha a R$ 3,75

O forte recuo do preço do petróleo acabou pressionando para baixo outras commodities e moedas de países emergentes, entre elas o real.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

O andamento da reforma da previdência também preocupava os investidores nesta sessão depois que, na véspera, o presidente eleito Jair Bolsonaro reconheceu que dificilmente ela será aprovada neste ano.

Fonte da equipe de transição disse na tarde de hoje que o novo governo terá que fazer duas reformas, uma do modelo atual e outra para implantar um novo regime, caso nada seja aprovado para alterar o sistema previdenciário ainda este ano.

“Por mais que o mercado precificasse que a reforma da previdência não sairia este ano, havia alguma expectativa e, com ela caminhando para a não votação, gera algum desconforto”, explicou o diretor de operações da corretora Mirae, Pablo Spyer.

Os investidores ainda seguiam atentos às indicações de nomes para a formação do futuro governo, com especial atenção sobre o comando do Banco Central.

E MAIS: Dólar tem leves oscilações ante real

Nesta manhã, Bolsonaro anunciou a indicação do general da reserva do Exército Fernando Azevedo e Silva, atual assessor especial do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, para o cargo de ministro da Defesa. À tarde, disse que está na iminência de anunciar os nomes dos ministros das Relações Exteriores e Meio Ambiente.

Mais cedo, um cenário externo totalmente positivo predominou sobre os negócios, com o sinal de baixa do dólar ante outras divisas também ecoando sobre o real, em dia de maior otimismo sobre as relações comerciais entre Estados Unidos e China.

Na sexta-feira (9), o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, retomou as discussões com o vice-primeiro-ministro da China, Liu He, por telefone, informou o “Wall Street Journal” ontem (12) citando fontes.

Além disso, o “South China Morning Post” informou que o principal negociador comercial da China, Liu He, pode visitar Washington para se preparar para as conversas entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o presidente chinês, Xi Jinping, na cúpula do G20 na Argentina neste mês.

Com o mau humor predominando à tarde, ficou em segundo plano o encontro do gabinete da primeira-ministra britânica, Theresa May, que seria amanhã (14), para uma reunião sobre o Brexit depois que o Reino Unido e a União Europeia aprovaram um texto preliminar sobre o acordo de separação do país do restante do bloco.

E TAMBÉM: Dólar tem novo dia de estabilidade ante real

Essa notícia, no entanto, içou o euro e a libra, mantendo o dólar em queda ante a cesta de moedas

O Banco Central vendeu nesta sessão 13,6 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 5,44 bilhões do total de US$ 12,217 bilhões que vence em dezembro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).