Dólar fecha praticamente estável ante real

Getty Images
Em novembro, no entanto, moeda teve alta após duas quedas mensais

O dólar terminou hoje (30) com leve baixa ante o real, com investidores evitando tomar qualquer posição enquanto aguardavam o desfecho do encontro entre os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da China, Xi Jinping, no final de semana, com expectativa de que um acordo entre eles alivie as preocupações com o crescimento global.

LEIA MAIS: Dólar tem leves oscilações ante real de olho no exterior

Essa preocupação com o mercado externo vista nesta sessão também predominou em novembro, quando o dólar fechou em alta ante o real, após dois meses consecutivos de retração.

A moeda norte-americana recuou 0,04%, a R$ 3,8558 na venda. No mês, subiu 3,58% e, na semana passada, avançou 0,88% ante o real. Foi a quinta semana consecutiva de valorização. O dólar futuro tinha alta de 0,34%.

“A cessão onerosa pode fazer o dólar cair, se for votada semana que vem… Se passar, o mercado vai entender que foi conquista da articulação do novo governo, então pode ter um mini rali”, avaliou o presidente da BeeTech, Fernando Pavani.

Ele lembrou que a sinalização dovish (mais branda) do Federal Reserve nos últimos dias, indicando que pode não subir tanto os juros nos Estados Unidos, pode ajudar nesse mini rali, já que, com menos taxas na maior economia do globo, os investidores tendem a procurar outras praças mais atrativas, como a brasileira.

“A aprovação da cessão onerosa pode trazer o dólar a R$ 3,75-R$ 3,80”, acrescentou o especialista em câmbio da Frente Corretora, Robert Awerianow, ponderando que a questão comercial EUA-China pode manter a cautela nos negócios.

VEJA TAMBÉM: Dólar avança ante real com cena política e Ptax

O encontro dos presidentes das duas maiores economias globais, no final de semana, manteve os investidores cautelosos na operação de hoje. Assim, o dólar acabou subindo ante as outras divisas, fortes e emergentes, como o peso mexicano.

“As incertezas sobre a questão comercial entre os dois países pairam como uma ‘nuvem negra'”, escreveu o analista-chefe de mercados da corretora do Reino Unido CMC, Michael Hewson.

“Um resultado positivo seria uma promessa [de Trump] de atrasar um novo aumento de tarifas em janeiro, com vistas a novas discussões. Novas escaladas de taxações não seriam bem-vindas, dada a desaceleração já observada na maioria dos indicadores econômicos globais.”

Nesta tarde, Trump disse que há alguns bons sinais nas negociações com a China. “Estamos trabalhando muito duro. Se conseguirmos um acordo será bom. Eu acho que eles querem. Eu acho que nós gostaríamos. Veremos”, disse.

Internamente, a formação da taxa Ptax de final de mês, usada na liquidação de diversos derivativos cambiais, influenciou na primeira metade do pregão, deixando as cotações mais voláteis e sem tendência.

E MAIS: Dólar firma alta ante real com Ptax

No exterior, o dólar operava com pequena em alta ante a cesta de moedas e também ante as divisas de países emergentes, como o peso mexicano e o rand sul-africano.

Os investidores também aguardavam novidades sobre a votação do projeto de lei da cessão onerosa, ainda sem acordo.

O Banco Central anunciou ontem (29) que vai iniciar, na próxima segunda-feira (3), a rolagem do vencimento de janeiro em swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, com oferta de 13.830 contratos.

Segundo nota da autoridade monetária, o calendário de leilões será mais enxuto, com a conclusão da rolagem até o dia 21 do mês que vem. Vencem em janeiro US$ 10,4 bilhões em contratos de swap cambial. O estoque total do BC totaliza US$ 68,9 bilhões.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).