Dólar recua abaixo de R$ 3,90 com correção

GettyImages
Queda é resultado de movimento de correção impulsionado pelo anúncio de leilão de US$ 2 bilhões em linha pelo Banco Central.

O dólar opera hoje (27) em queda e abaixo de R$ 3,90, em um movimento de correção impulsionado pelo anúncio de leilão de US$ 2 bilhões em linha – venda com compromisso de recompra – pelo Banco Central, uma tentativa de aliviar a pressão altista de final de ano, período em que comumente empresas enviam recursos ao exterior.

VEJA TAMBÉM: Boeing e Airbus se preocupam com guerra comercial

Às 12h07, a moeda recuava 0,69%, a R$ 3,8904 na venda, depois de terminar a sessão anterior (26) com a maior alta desde junho, a R$ 3,9175, maior valor desde 2 de outubro. Na mínima, a moeda foi a R$ 3,8757. O dólar futuro tinha baixa de cerca de 1,20%.

“É de amplo conhecimento a tendência do BC em realizar leilões de linha no fim do ano, quando empresas costumam remeter recursos ao exterior… De todo modo, não dá para negar uma ‘relação’ entre o movimento de ontem no câmbio e o anúncio do BC”, escreveu a corretora H.Commcor em relatório, ao ponderar que muitos consideram o anúncio da entidade financeira “uma sinalização da autoridade àqueles que – teoricamente – estariam forçando um movimento para ‘além dos fundamentos'”.

A alta de ontem foi influenciada por uma série de fatores. Além do movimento tradicional de remessa de recursos ao exterior no final do ano por empresas multinacionais, houve a zeragem de posições vendidas e nervosismo com o exterior.

Essa influência negativa externa continua nesta sessão, patrocinada por declarações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que espera seguir em frente com o aumento de tarifas sobre US$ 200 bilhões em importações chinesas, o que jogou um balde de água fria sobre o otimismo vigente diante do encontro dele com o presidente da China, Xi Jinping, no G20, no final da semana.

E AINDA: Dólar tem maior alta em mais de 5 meses

“O envolvimento ativo de Trump no G20 implica muita incerteza. As expectativas para a reunião são exageradas. O conflito comercial entre os EUA e a China provavelmente não será resolvido. O melhor cenário é que não haverá novas tarifas, mas as existentes não serão removidas tão cedo”, dusse a corretora dinamarquesa Nordea Markets em relatório.

O dólar, no entanto, operava com alta tímida ante a cesta de moedas, depois de ter se aproximado da máxima em duas semanas, mas recuava ante as divisas emergentes, como o peso mexicano e o rublo, o que também contribuía para o alívio no câmbio doméstico.

“O mercado exagerou ontem e a atuação do BC com oferta de liquidez e o exterior ajudam na correção, mas nada impede que o excesso volte a ser visto. Temos Ptax à frente e muita gente está comprada”, avaliou o operador de câmbio da H.Commcor Cleber Alessie Machado.

A taxa Ptax de final de mês é usada na liquidação de diversos derivativos cambiais e sua formação de preços no último pregão do mês acaba deixando o mercado mais volátil, com a briga entre os investidores que apostam na queda da cotação e na alta.

LEIA MAIS: Guerra comercial terá impacto global, diz diretor da OMC

Os dados dos investimento diretos no país (IDP) acima do previsto pelos analistas também ajudavam a aliviar o dólar, comentaram profissionais.

Os investidores também seguiam na expectativa por novidades sobre a trajetória de juros nos EUA. Nesta manhã, o vice-chairman do Fed, Richard Clarida, declarou que a economia dos EUA segue robusta e que espera que em 2019 essa trajetória se mantenha.

O Banco Central fará hoje leilão de linha com oferta de US$ 2 bilhões em novos contratos, com vencimento em 4 de fevereiro e 6 de março de 2019. Em dezembro, vencem mais US$ 1,250 bilhão em linha e o BC ainda não se pronunciou se fará ou não rolagem. A instituição financeira vendeu nesta sessão 13,6 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 10,880 bilhões do total de US$ 12,217 bilhões que vence em dezembro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).