Dólar sobe ante real pela 4ª semana seguida

Getty Images
Moeda norte-americana fechou a R$ 3,82, valorização de 0,41%

O dólar terminou hoje (23) novamente em alta ante o real, pelo quarto pregão consecutivo, e registrou seu maior ganho semanal desde 24 de agosto, com o giro mais fraco após uma semana de feriados no Brasil e Estados Unidos influenciando os negócios, pressionados pelas preocupações com a guerra comercial com a China e com a desaceleração da economia global.

LEIA MAIS: Dólar tem terceira alta seguida ante real

A moeda norte-americana avançou 0,41%, a R$ 3,8222 na venda.

Com o desempenho de hoje, o dólar acumulou, na semana, valorização de 2,20%, a maior desde os 4,85% registrados em 24 de agosto. Foi a quarta semana consecutiva de ganhos, período no qual subiu 4,59%. O dólar futuro tinha valorização de cerca de 0,50%.

“É normal haver saída de recursos no final do ano. Além disso, o investidor aumentou sua posição comprada [aposta de alta] no dólar, já que há preocupações externas e não se sabe como será o novo governo”, justificou um gestor de derivativos de uma corretora local.

Nesta sexta-feira, o dólar subia ante a cesta de moedas e se encaminhava para seu maior ganho semanal em um mês, e também avançava ante divisas emergentes, como o peso chileno, em meio aos temores de desaquecimento econômico global, tombo dos preços do petróleo e guerra comercial EUA-China, antes da reunião entre os líderes dos dois países na próxima semana.

Destaque para o recuo do euro com preocupações de que o crescimento econômico possa estar desacelerando entre os países que usam a moeda única após dados decepcionantes do Índice de Gerentes de Compras (PMI).

VEJA TAMBÉM: Dólar tem leves oscilações monitorando exterior

Os preços do petróleo caíram hoje ao menor nível em mais de um ano, apesar de produtores considerarem cortes na produção para tentar conter o excedente global.

Internamente, os investidores gostaram das últimas indicações para a equipe do futuro governo. Na véspera, os economistas Rubem Novaes e Pedro Guimarães foram indicados para comandar o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, respectivamente, no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Bolsonaro ainda anunciou que o professor emérito da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército Ricardo Velez Rodriguez será o ministro da Educação e o fundador e presidente da locadora de veículos Localiza, Salim Mattar, assumirá a Secretaria Geral de Desestatização e Desimobilização, sob o ministério de Guedes.

“O viés privatista e liberal do governo Bolsonaro é reforçado com as nomeações de Novaes para o BB e Pedro Guimarães para presidir a Caixa, enquanto a escolha de Vélez, professor de escola militar, defensor do escola sem partido e indicado pela bancada evangélica, para o ministério da Educação reitera tom ideológico conservador”, apontou a corretora CM Capital Markets em comentário matinal.

Nos EUA, os mercados fecharam mais cedo nesta sessão após o feriado do Dia de Ação de Graças, o que encolheu a liquidez local.

E MAIS: Dólar sobe ante real em dia de liquidez baixa

O Banco Central vendeu nesta sessão 13,6 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 9,52 bilhões do total de US$ 12,217 bilhões que vence em dezembro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).