Boeing abre primeira fábrica de 737 na China

Getty Images
Investimento estratégico acontece em meio a guerra comercial EUA-China

A Boeing abriu sua primeira fábrica de montagem do jato 737 na China hoje (15), um investimento estratégico destinado a alcançar a liderança de vendas sobre a rival Airbus num dos principais mercados de viagens do mundo, ofuscado pela guerra comercial EUA-China.

LEIA MAIS: Justiça derruba liminar que impedia venda da Embraer para Boeing

A maior fabricante de aviões do mundo também entregou o primeiro dos 737 mais vendido no complexo em Zhoushan, cerca de 290 quilômetros a sudeste de Xangai, para a aérea local Air China durante cerimônia com os principais executivos de ambas as empresas.

Os executivos, juntamente com representantes do órgão regulador de aviação da China, mostraram o avião em um evento com participação de centenas de pessoas.

Boeing e Airbus estão expandindo presença na China, enquanto disputam pedidos no crescente mercado de aviação, que deve superar os Estados Unidos como maior do mundo na próxima década.

A Boeing investiu US$ 33 milhões no ano passado para obter uma participação majoritária em uma joint venture com a estatal Comac (Commercial Aircraft Corp of China) para construir o centro de conclusão de montagem.

A Boeing se considera a maior exportadora dos EUA e entregou mais de um em cada quatro aviões que fez no ano passado para clientes na China, onde prevê uma demanda de 7,7 mil novos aviões nos próximos 20 anos avaliados em US$ 1,2 trilhão.

VEJA TAMBÉM: Justiça de SP impede venda de área comercial da Embraer para Boeing

Mas a cerimônia inaugural da fábrica foi ofuscada pelas tensões entre Estados Unidos e China, no meio de uma contundente guerra tarifária. As duas maiores economias do mundo estão em um período de 90 dias para negociar um acordo comercial.

“Estou nervoso com a situação? Sim, é claro. É um ambiente desafiador”, disse John Bruns, presidente da Boeing China, a repórteres em teleconferência.

Embora os atritos comerciais tenham prejudicado empresas como os produtores de soja dos EUA e os fabricantes chineses, seu impacto na Boeing ainda não está claro. Aeronaves fabricadas nos EUA até agora escaparam das tarifas de Pequim.

A Boeing pretende atingir a meta de entrega de 100 aviões por ano em Zhoushan, embora Bruns tenha refletido sobre a rapidez com que alcançará esse nível e disse que a Boeing não tem plano de expandir o trabalho para outros tipos de aeronaves.

A Boeing também espera que a unidade alivie a pressão nas instalações de Seattle, onde planeja aumentar a produção em 2019 do avião 737, o mais vendido, mas com problemas de produção.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).