Justiça derruba liminar que impedia venda da Embraer para Boeing

Divulgação
A Boeing assumirá controle sobre 80% de uma joint venture com a Embraer

O Tribunal Regional Federal da 3ª região (TRF3) revogou hoje (10) liminar que impedia a Embraer de vender o controle de sua divisão de aviação comercial para a norte-americana Boeing, acolhendo recurso da Advocacia-Geral da União (AGU).

LEIA MAIS: Justiça de SP impede venda de área comercial da Embraer para Boeing

A liminar havia sido concedida na última quinta-feira (6) pela Justiça Federal de São Paulo, que acolheu parcialmente ação de quatro deputados federais petistas que pediam suspensão imediata das tratativas entre Embraer e Boeing.

O pedido da AGU requereu suspensão da liminar até o julgamento definitivo da ação movida pelos deputados Paulo Pimenta (RS), Carlos Zarattini (SP), Nelson Pellegrino (BA) e Vicente Cândido (SP). Segundo a AGU, a liminar “afrontava a separação dos poderes e a ordem política-administrativa, uma vez que impedia a União de decidir” se dará aval ao negócio.

“O momento para qualquer manifestação da União somente ocorrerá quando for efetivamente submetida a proposta de eventual fusão, e segundo os termos do que vier estipulado na dita proposta, ao conselho de administração da Embraer”, ressaltou a AGU no pedido de suspensão.

Boeing e Embraer anunciaram em julho assinatura de memorando de entendimento para uma transação em que a companhia norte-americana assumirá controle sobre 80% de uma joint venture a ser criada por meio da separação da divisão de jatos comerciais da Embraer, a principal da companhia brasileira.

O acordo precisa de aprovação do governo brasileiro, que tem direito de veto em assuntos estratégicos da Embraer, mecanismo chamado de golden share.

VEJA TAMBÉM: Acordo Embraer-Boeing pode ser assinado sob Temer

O memorando de entendimentos entre as empresas avaliou as operações de aviação comercial da Embraer em US$ 4,75 bilhões. A fatia da Boeing no negócio é avaliada em US$ 3,8 bilhões. A Embraer, terceira maior exportadora do Brasil, ficaria com os 20% restantes.

A ação da Embraer às 15h16 exibia alta de 0,5%, em sessão negativa para a maior parte dos ativos da bolsa paulista. No mesmo horário, o Ibovespa cedia 2,1%.

Procurado, o deputado federal Carlos Zaratini afirmou que o grupo vai recorrer da decisão do TRF3, por não concordar com a venda da divisão comercial da fabricante brasileira. “No nosso modo de ver, a venda significa o fim da Embraer no Brasil. Se toda a parte de aviação comercial for encaminhada para a Boeing, a tendência é a empresa deixar de funcionar no Brasil, talvez se transformar em um mero departamento de manutenção aqui”, disse Zarattini.

“O que vinha sendo discutido anteriormente, desde o primeiro governo da presidente Dilma (Rousseff) era uma parceria comercial entre as empresas, para elas atuassem juntas na venda de aeronaves. Isso era uma coisa positiva porque garantiria a ampliação do mercado para a Embraer”, disse o deputado, afirmando que a transação como esta proposta agora “implica prejuízo ao sistema de defesa brasileiro”.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).