Nissan processa irmã de Ghosn por “enriquecimento sem causa”

O processo é a mais recente reviravolta para uma briga judicial entre Ghosn e a Nissan.

A Nissan abriu nesta terça-feira (11) processo contra irmã do ex-presidente do conselho de administração da montadora Carlos Ghosn em um tribunal do Rio de Janeiro por “enriquecimento sem causa”, de acordo com um registro judicial visto pela Reuters.

LEIA MAIS: Ghosn suspeito de transferir perdas pessoais à Nissan

O processo é a mais recente reviravolta para uma briga judicial entre Ghosn e a Nissan sobre o conteúdo de um apartamento à beira-mar que o ex-executivo usou durante suas viagens ao Brasil.

Nascido no Brasil, Ghosn está preso no Japão, acusado de declarar renda menor que a real enquanto liderava a montadora japonesa e de desviar fundos da companhia para uso pessoal. A montadora afirma que pode haver evidências de seus supostos crimes no apartamento no Rio de Janeiro.

Detalhes adicionais sobre o processo de enriquecimento sem causa não estavam disponíveis imediatamente e não ficou claro quanto tempo levaria para resolver o caso.

A imprensa japonesa já havia informado que Claudine Bichara de Oliveira, irmã de Ghosn, poderia estar envolvida no escândalo.

O “Yomuri”, o maior diário do Japão em circulação, informou em novembro citando fontes não identificadas que a investigação interna da Nissan descobriu que Ghosn instruiu a companhia desde 2002 a pagar cerca de US$ 100 mil por ano para sua irmã mais velha. A compensação deveria ser para um papel como conselheira.

O jornal acrescentou que ela estava, de fato, morando e gerenciando o apartamento no Rio que a Nissan comprou para o uso de Ghosn e que não havia feito nenhum trabalho de consultoria para a montadora.

O representante da família Ghosn não quis comentar o assunto.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).