Zuckerberg apoiou compartilhamento de dados de usuários

Getty Images
Zuckerberg lamentou a sua escolha em uma publicação no Facebook

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, questionou a prática empresarial de fornecer a milhões de desenvolvedores de software acesso amplo aos dados dos usuários antes de endossar a prática em 2012, segundo e-mails internos publicados ontem (6).

LEIA MAIS: Facebook vai ampliar área para notícias locais

A decisão tornou possível que um aplicativo de questionários coletasse dados de cerca de 87 milhões de usuários do Facebook no ano seguinte, e depois compartilhasse as informações com a agora extinta consultoria britânica Cambridge Analytica, que trabalhou na campanha presidencial de Donald Trump.

Zuckerberg lamentou a sua escolha em uma publicação no Facebook na quarta-feira (5), dizendo que reprimir o acesso aos dados um ano antes poderia ter ajudado a empresa a evitar um escândalo de privacidade que manchou sua reputação.

Os e-mails de 2012 do executivo, obtidos por um painel do governo britânico que investiga o Facebook, trazem luz sobre as deliberações internas relativas à questão estratégica sobre o compartilhamento de dados de usuários da rede social.

Quando os e-mails foram enviados, o Facebook havia recentemente aberto seu capital e contava com aplicativos de terceiros, como jogos, para ajudar a impulsionar o crescimento da rede social.

Mas Zuckerberg questionou se tais aplicativos e os dados que eles enviaram de volta ao Facebook estavam produzindo aumentos suficientes no uso e na receita da rede social.

VEJA TAMBÉM: Facebook tem alta no lucro trimestral

“Em teoria, queremos informações, mas as publicações que os desenvolvedores estão nos dando são realmente valiosos?” Zuckerberg escreveu em resposta a um longo e-mail de outro executivo. “Eles não parecem ter (conteúdo) direcionado e eu duvido que eles também aumentem significativamente o engajamento.”

Uma alternativa proposta era cobrar os aplicativos pelo acesso aos dados dos usuários do Facebook, embora tal movimento provavelmente tivesse limitado o número de aplicativos que funcionam com o Facebook, escreveu Zuckerberg em uma mensagem.

O Facebook manteve o rumo, com Zuckerberg rejeitando as taxas no final de 2012. O Facebook não respondeu a um pedido de entrevista.

ENGRENAGENS DE TRANSFORMAÇÃO

As deliberações nos e-mails do final de 2012 se concentravam no lucro e não na privacidade.

Zuckerberg e os líderes seniores debateram como os acordos de troca de dados com empresas como o Spotify e o Pinterest poderiam gerar receita, acreditando que o Facebook estava obtendo menos benefícios do acordo do que seus parceiros.

E TAMBÉM: Facebook: acionistas querem Zuckerberg fora do conselho

Por fim, Zuckerberg manteve o objetivo que havia estabelecido ao lançar as ferramentas para desenvolvedores anos antes: fazer com que as pessoas compartilhem mais itens no Facebook.

“O objetivo da plataforma é unir o universo de todos os aplicativos sociais para que possamos permitir muito mais compartilhamento e ainda continuar sendo a plataforma central”, disse ele em um e-mail para vários altos executivos. “Isso encontra o equilíbrio certo entre onipresença, reciprocidade e lucro.”

Em sua oferta pública inicial (IPO), a empresa disse que trabalhar com outros aplicativos era “fundamental” para aumentar o uso do Facebook e melhorou sua capacidade de personalizar feeds de notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).