Balança comercial brasileira tem superávit de US$ 58,3 bi

Reuters
Resultado é 13% menor em comparação ao ano passado

A balança comercial brasileira encerrou 2018 com superávit de US$ 58,298 bilhões, queda de 13% sobre o dado recorde de 2017, em meio ao crescimento mais forte das importações que das exportações, informou o Ministério da Economia nesta quarta-feira.

LEIA MAIS: Balança comercial do Brasil termina 2017 com superávit recorde

Mesmo assim, a performance anual foi a segunda mais forte da série histórica iniciada pelo governo em 1989, no momento em que o governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) assume com a promessa de abrir o mercado brasileiro e diminuir tarifas sobre importados.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já afirmou publicamente que o antigo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), agora incorporado pelo Ministério da Economia, havia se transformado numa trincheira na defesa do protecionismo.

No ano passado, uma performance mais forte da atividade econômica deu impulso às compras de produtos importados, que avançaram 19,7% sobre 2017, a US$ 181,225 bilhões, atingindo o maior valor desde 2014.

Em nota, o Ministério da Economia informou que houve aumento de importações em todas as grandes categorias econômicas: bens de capital (76,5%), bens intermediários (11,6%), bens de consumo (9,1%) e combustíveis e lubrificantes (24,9%).

A expansão das exportações, por sua vez, foi de 9,6%, a US$ 239,523 bilhões, no nível mais alto dos últimos cinco anos.

VEJA TAMBÉM: Shan-Lyn Ma: o poder do feedback nos negócios

Por fator agregado, houve crescimento das exportações de produtos básicos (17,2%) e manufaturados (7,4%), enquanto os produtos semimanufaturados registraram redução de 3,1%.

Em meio à guerra comercial entre Estados Unidos e China, os principais mercados de destino das exportações brasileiras tiveram crescimento –as exportações para a China aumentaram 32,2%, para a União Europeia cresceram 20,1% e para os EUA subiram 6,6%.

A Argentina continuou sendo o principal parceiro comercial do Brasil na América Latina, mas as exportações para os argentinos em 2018) caíram 15,5% na comparação com 2017, sendo o setor automotivo o mais impactado.

Em 2018, as vendas de soja, principal item da pauta exportadora brasileira, foram ajudadas pelas tensões comerciais e bateram recorde em quantidade e valor.

Isso porque a China impôs em julho tarifa de 25% sobre a soja dos EUA, respondendo a medidas do governo de Donald Trump de taxar importados chineses para forçar a revisão da pauta comercial e diminuir o déficit com o gigante asiático.

A medida abriu caminho para aquisição de mais grãos do Brasil. No geral, a exportação da oleaginosa chegou a 83,8 milhões de tonelada e US$ 33,3 bilhões em 2018.

E MAIS: Embraer fecha negócio com a Nordic Aviation Capital

DEZEMBRO

Em dezembro, as trocas comerciais ficaram positivas em US$ 6,639 bilhões. No mês, as exportações cresceram 11,1% sobre igual mês de 2017, pela média diária, a US$ 19,556 bilhões.

Na ponta das importações, o aumento foi de 2,5% sobre dezembro de 2017, a US$ 12,917 bilhões.

Já está disponível no aplicativo ForbesBrasil a edição 64 com a lista Under30.
Baixe o app na Play Store ou na App Store.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).