Fertilizantes Heringer faz reestruturação e fecha unidades

Getty Images
Segundo fontes, fábricas e centros de distribuição podem deixar de existir

A empresa brasileira Fertilizantes Heringer decidiu fechar várias de suas fábricas e centros de distribuição no país como parte de um plano de reestruturação para lidar com dívidas elevadas, disseram hoje (31) duas fontes à Reuters.

LEIA MAIS: Governo estuda abrir mercado de fabricação de armas

A Heringer, uma das maiores empresas do mercado brasileiro de fertilizantes, enviou uma mensagem hoje aos trabalhadores de pelo menos dez instalações, incluindo fábricas e escritórios regionais, avisando que enfrentariam o fechamento, segundo mensagem recebida pela Reuters.

Os funcionários nessas unidades seriam demitidos. A Heringer possui cerca de 3.000 funcionários. Não ficou claro quantos perderiam seus empregos.

Na mensagem, o presidente-executivo Dalton Carlos Heringer disse que a reestruturação se tornou necessária depois que alguns credores obtiveram uma decisão judicial favorável, permitindo que congelassem contas bancárias para garantir o pagamento da dívida.

A assessoria de imprensa da Heringer não confirmou a informação e disse que retornaria uma ligação de um pedido de esclarecimento, mas ainda não o fez.

O departamento de relações com investidores disse que os executivos estavam em reuniões e que a empresa possivelmente enviaria um comunicado ao mercado ainda hoje.

VEJA TAMBÉM: Positivo compra fabricante de computadores Accept

A Heringer tinha R$ 2,9 bilhões em dívidas até o final do terceiro trimestre, de acordo com seu release de resultados. Isso se compara a uma capitalização de mercado de R$ 224 milhões, segundo dados do Refinitiv Eikon, da Thomson Reuters.

Uma fonte que lida com distribuidores de fertilizantes no Mato Grosso, coração da área produtora de grãos do Brasil, disse que a Heringer informou alguns distribuidores sobre fábricas e escritórios que estavam sendo fechados e sobre quais continuariam operando.

Antes dos fechamentos, a empresa contava com 16 fábricas que produzem fertilizantes a partir de materiais importados e uma planta de ácido sulfúrico, além de escritórios regionais nas áreas agrícolas mais importantes do Brasil, como o Centro-Oeste e a região do Matopiba.

A empresa tem capacidade para movimentar 6,2 milhões de toneladas de fertilizantes por ano, utilizados em diversos tipos de culturas, incluindo soja, milho, algodão, café e cana-de-açúcar.

As ações da Heringer perderam cerca de 5% no pregão de hoje.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).