França alerta contra pacote de demissão de Carlos Ghosn

GettyImages
Grupo Renault ainda não finalizou pacote de desligamento do ex-presidente.

O ministro francês da Economia afirmou neste domingo que um pacote de demissão do ex-presidente da Renault, Carlos Ghosn, forçado a renunciar em meio a um escândalo financeiro, não deve ser “exorbitante” e que o governo francês acompanhará de perto o assunto.

VEJA TAMBÉM: Renault nomeará novos líderes após renúncia de Ghosn

A Renault, que esta semana nomeou um chairman e presidente-executivo para substituir Ghosn, ainda não finalizou o pacote de desligamento de seu ex-presidente, uma questão potencialmente explosiva na França, onde o governo enfrenta protestos por salários baixos e desigualdade.

“Ninguém entenderia se a indenização de Carlos Ghosn fosse exorbitante”, disse Bruno Le Maire à rádio France Inter.

“Seremos extremamente vigilantes.”

O governo francês é o maior acionista da Renault, com uma participação de cerca de 15%, e detém dois assentos no conselho.

Sob pressão do governo francês, Ghosn demitiu-se da Renault na semana passada após sua prisão no Japão, em novembro, e acusação por má conduta financeira.

E AINDA: Ministro francês defende aliança de Renault e Nissan

Ele nega qualquer irregularidade.

O escândalo prejudicou a aliança da Renault com a japonesa Nissan, uma parceria industrial que Ghosn construiu ao longo de duas décadas.

O sindicato CGT da França estimou que o pacote de indenização de Ghosn deve valer entre 25 e 28 milhões de euros, além de uma pensão anual de 800.000 euros.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).