Incorporadora capta R$ 327 mi para ampliar Hard Rock

Getty Images
A operação dos empreendimentos é feita pelo próprio Hard Rock

A brasileira Venture Capital Investimentos (VCI), que trouxe a marca Hard Rock ao Brasil, captou R$ 327 milhões do fundo KCM, de Singapura, em uma aposta para tentar ampliar no país o conceito de imóveis de propriedade compartilhada.

LEIA MAIS: Maiores histórias de venda de imóveis de celebridades em 2018

Os recursos serão usados principalmente para concluir as obras de dois empreendimentos da marca que estão em fase final no país, um em Fortaleza (CE) e outro na Ilha do Sol (PR).

Conhecido mundialmente, o Hard Rock tem hoje 27 negócios em operação em suas divisões de shows, eventos, cassino e hotelaria, a mais importante. Além dos hotéis, a rede tem um restaurante em Curitiba (PR) e outro em Gramado (RS), como parte dos 35 empreendimentos em construção em vários países.

Misto de conjunto residencial e hotel de luxo, o modelo de propriedade compartilhada é comum nos Estados Unidos e na Europa. No Brasil, embora já seja praticado há vários anos, o sistema só foi regulamentado em dezembro.

Segundo o presidente da VCI, Samuel Sicchierolli, a unidade de Fortaleza teve cerca de R$ 70 milhões de cotas do empreendimento vendidos nos primeiros quatro meses.

“Com a nova captação, vamos poder acelerar os planos de expansão no Brasil”, disse Sicchierolli à Reuters, contando que o plano da rede é ter sete empreendimentos no país nos próximos anos, sendo seis no conceito de multipropriedade e um hotel convencional operado pela marca na capital paulista.

VEJA TAMBÉM: Even e Fasano: parceria para negócio de R$ 720 mi

MODELO

Os empreendimentos são vendidos em cotas. Cada uma delas dá ao proprietário o direito de usar o apartamento duas semanas por ano. No caso de Fortaleza, a cota unitária de cada um dos 402 apartamentos custa R$ 65 mil. O empreendimento tem previsão de entrega para 2020 e volume geral de vendas (VGV) estimado em R$ 1,3 bilhão.
As cotas dos empreendimento dão ao detentor a possibilidade de utilizar outras unidades da rede pelo mundo, sem custos.

A operação dos empreendimentos é feita pelo próprio Hard Rock, incluindo a mobília e decoração dos apartamentos, além dos eletrodomésticos e roupas de cama, mesa e banho condizentes com hospedagem de luxo. Além da compra da cota, cada participante paga o equivalente a R$ 200 por mês para custear manutenção e impostos, como IPTU.

“O público desse serviço percebe que o sistema de franquias de hotel geralmente resulta em perda de qualidade”, diz Sicchierolli. “Para quem viaja bastante, pode ser preferível pagar uma vez e não gastar mais com hotel.”

Alguns, no entanto, entram no segmento como investidores e depois podem revender suas cotas no mercado secundário.”Não dá garantir que vai ter uma valorização, mas as pessoas compram por diferentes motivos”, disse ele.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).