Tribunal de Tóquio nega novo pedido de fiança de Ghosn

Regis Duvignau/Reuters
Decisão pressiona francesa Renault, parceira da Nissan, a buscar sucessor

O mais recente pedido de liberdade sob fiança de Carlos Ghosn, ex-presidente do conselho da Nissan, foi rejeitado hoje (22) por um tribunal de Tóquio, apesar da sugestão do próprio Ghosn de usar tornozeleira eletrônica na tentativa de obter liberdade após dois meses de detenção por supostos crimes financeiros. A decisão, amplamente esperada, aumenta a probabilidade de que o executivo de 64 anos permaneça sob custódia até o julgamento, e pressionará a francesa Renault, parceira da Nissan, a encontrar um sucessor para Ghosn como presidente do conselho e CEO da companhia. Ghosn foi quase imediatamente afastado da presidência dos conselhos da Nissan e da Mitsubishi após sua prisão em 19 de novembro, mas continua a ser presidente do conselho e CEO da montadora francesa.

LEIA MAIS: Ghosn recebeu US$ 9 mi indevidamente, dizem montadoras

O conselho da Renault deve se reunir nos próximos dias para decidir quem vai suceder Ghosn, Assim irá retirá-lo do negócio — que também inclui a Mitsubishi Motors — em crise desde a sua prisão. O executivo é acusado de ocultar parte de seu salário durante oito anos até março de 2018 e de transferir temporariamente perdas financeiras pessoais para a Nissan. Ghosn nega as acusações.

O tribunal não apresentou qualquer explicação para rejeitar o pedido de Ghosn. A fiança raramente é concedida para réus no Japão sem uma confissão. O advogado de Ghosn não estava  disponível para comentar depois que o Tribunal Distrital de Tóquio anunciou sua decisão.

O pedido de fiança de Ghosn também incluía uma oferta para contratar guardas para monitorá-lo e uma promessa de permanecer em Tóquio, onde ele alugou um apartamento. Ele se ofereceu para apresentar ações que possui na Nissan como garantia, disse sua porta-voz. Um pedido anterior de fiança fora negado na semana passada devido a preocupações de que o executivo, que tem cidadania francesa, libanesa e brasileira, pudesse fugir e adulterar provas.

Em um comunicado divulgado na segunda-feira, Ghosn repetiu sua intenção de limpar seu nome no tribunal. “Eu vou comparecer ao meu julgamento não apenas porque sou legalmente obrigado, mas porque estou ansioso para finalmente ter a oportunidade de me defender”, disse. “Eu não sou culpado das acusações feitas contra mim e estou ansioso para defender a minha reputação no tribunal”.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).