Dólar avança e fecha a R$ 3,75

Getty Images
Com a alta hospitalar do presidente Jair Bolsonaro, o mercado elevou apostas de que a reforma da Previdência começará avançar

O dólar fechou em alta de mais de 1% ante o real hoje (13), em sessão de ajuste após queda na véspera (12) e em meio a ansiedade ligada à reforma da Previdência.

LEIA MAIS: Dólar tem leva alta ante real em dia de correção

A moeda norte-americana avançou 1,05%, a R$ 3,7527 na venda, após oscilar entre R$ 3,7150 e R$ 3,7626. O dólar futuro tinha alta de 1,1%.

Na véspera, a moeda norte-americana caiu 1,31%, diante do otimismo no exterior que alimentou apetite por risco.

Com a alta hospitalar do presidente Jair Bolsonaro, o mercado elevou apostas de que a reforma da Previdência começará avançar e cresce a ansiedade para conhecer os termos do texto.

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, deve discutir a reforma com Bolsonaro já amanhã (14).

“O mercado financeiro fica de olho agora em como serão os detalhes em relação à reforma”, afirmou o operador de câmbio da Advanced Corretora, Alessandro Faganello.

VEJA TAMBÉM: Dólar recua mais de 1% ante real

Apesar das sinalizações de que a pauta poderá começar a caminhar, ainda não há informações suficientes para se desenhar um cenário de médio prazo, o que acaba segurando o investidor, disse o gerente de câmbio da Tullet Prebon, Italo Abucater.

A agência de classificação de risco Moody’s avaliou que a reforma da Previdência não deve ser aprovada antes do terceiro trimestre, com a chance de ser adiada ainda mais.

O real operou na contramão das moedas emergentes, uma vez que no exterior o otimismo permanece diante da expectativa de progresso nas negociações comerciais entre Washington e Pequim.

O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, disse que as reuniões até agora estão indo bem, com encontros de alto nível previstos para quinta e sexta-feiras.

A Casa Branca disse que o presidente dos EUA, Donald Trump, avalia opções sobre o prazo de 1º de março, data em que termina a trégua e deve haver um aumento de tarifas.

E AINDA: Dólar recua ante real com atenção ao exterior

O mercado também observa o impasse sobre segurança na fronteira, com chance de Trump sancionar o acordo de bipartidário de financiamento feito no Congresso.

O BC vendeu 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, equivalente à venda futura de dólares. Assim rolou US$ 4,648 bilhões dos US$ 9,811 bilhões que vencem em março.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).