Dólar fecha quase estável ante real, a R$ 3,66

Getty Images
Na semana, a moeda norte-americana acumulou queda de 2,9%

O dólar fechou quase estável ante o real hoje (1), com o mercado aguardando o Congresso, que elegerá no fim do dia as presidências da Câmara dos Deputados e do Senado, e tendo ainda no radar dados sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos.

LEIA MAIS: Dólar tem pouca variação ante real

A moeda norte-americana encerrou com acréscimo de 0,09%, a R$ 3,6622 na venda. Na máxima da sessão, chegou a R$ 3,6834. Na mínima, alcançou R$ 3,6374. O dólar futuro subia 0,36% pouco depois do fechamento do mercado à vista.

Na semana, a moeda norte-americana acumulou queda de 2,9%.

O Congresso elege hoje, a partir das 18h, os presidentes da Câmara e do Senado, e as respectivas mesas diretoras, o que permitirá ao governo começar a avançar com a agenda econômica, inclusive a tão aguardada reforma da previdência.

Na Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual presidente da Casa, é o favorito, após costurar uma aliança em que garantiu o apoio de diversos partidos. Seu principal adversário é o vice-presidente Fábio Ramalho (MDB-MG).

Já no Senado, o ex-presidente da Casa Renan Calheiros (AL) foi escolhido na véspera (31), em uma votação apertada, como candidato do MDB, que detém a maior bancada. Vários parlamentares concorrem contra o emedebista, entre eles Davi Alcolumbre (DEM-AP) e Major Olímpio (PSL-SP).

VEJA TAMBÉM: Dólar recua com força ante real

“Existe uma expectativa muito positiva com relação aos nomes que estão em pauta. Caso seja confirmada essa expectativa, a tendência é que haja uma valorização do real, diante da perspectiva de que a reforma da previdência pode ganhar mais força”, afirmou o operador de um banco nacional.

No exterior, dados dos EUA mostraram um salto na criação de vagas de trabalho em janeiro, o que deu algum suporte ao dólar ante o real nessa sessão, mas a revisão para baixo no desempenho do mês anterior limitou o impacto.

Os números foram conhecidos dois dias após o Federal Reserve prometer paciência com a normalização monetária nos EUA, entre outras sinalizações, abrindo espaço para aposta de uma pausa no ciclo de altas dos juros norte-americanos.

O Banco Central vendeu nesta sessão 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 516,5 milhões do total de US$ 9,811 bilhões que vencem em março.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).