Dólar recua levemente ante real

iStock
Às 10h58, a moeda norte-americana recuava 0,18%, a R$ 3,7256 na venda

O dólar recua levemente ante o real na manhã de hoje (19), com o mercado monitorando avanços ligados à Previdência após demissão do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, e ligeira cautela no exterior à espera de desfecho nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China.

LEIA MAIS: Dólar sobe ante real e fecha a R$ 3,73

Às 10h58, a moeda norte-americana recuava 0,18%, a R$ 3,7256 na venda, após avançar 0,77%, a R$ 3,7324 na venda ontem (18). O dólar futuro caía 0,25%.

Na véspera, após o fechamento do mercado, o porta-voz da Presidência anunciou a demissão de Gustavo Bebianno, citando a decisão como de “foro íntimo” do presidente Jair Bolsonaro.

Paralelamente à demissão de Bebianno, decisão que pretende melhorar o ambiente político para o Planalto, o governo pretende encaminhar duas pautas importantes ao Congresso: o pacote anticrime do ministro Sérgio Moro hoje e a reforma da Previdência amanhã (20).

A demora em dar cabo à crise gerou impaciência entre participantes do mercado, que observavam possível impacto da fritura política de Bebianno às negociações sobre Previdência no Congresso.

“É um quadro cauteloso, há tendência de alguma oscilação ao longo do dia, repercutindo as questões políticas internas… No fundo tem um cenário de espera e expectativa em torno de eventuais desdobramentos desse quadro político ligado à Previdência”, afirmou o economista da Tendências Consultoria, Silvio Campos Neto.

VEJA TAMBÉM: Dólar avança ante real

O que pode amenizar os impactos desses desdobramentos, segundo o economista, é a expectativa de que o texto da Previdência, duro em termos fiscais como sinalizado pelo governo, chegará ao Congresso na quarta-feira.

Na véspera, o porta-voz da Presidência afirmou que a intenção é que Bolsonaro leve pessoalmente a proposta da reforma ao Congresso, uma aposta de colocar o seu peso sobre o projeto.

No exterior, EUA e China retomam as negociações comerciais hoje, com conversas de mais alto nível previstas para quinta-feira (21).

“Não está fazendo preço porque o que o mercado quer agora são avanços mais concretos, não só nas palavras. Por isso vemos nesta terça-feira uma postura mais comedida, com o dólar tendo alguma valorização sobre as demais moedas”, avaliou Campos Neto.

O Banco Central realiza nesta terça-feira leilão de até 10,33 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de março, no total de US$ 9,811 bilhões.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).