Grupo Pão de Açúcar tem lucro de R$ 289 mi no 4º tri

Divisão de atacarejo, do Assaí, tem desempenho melhor que a de multivarejo

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) teve lucro líquido consolidado de R$ 289 milhões no quarto trimestre, queda de cerca de 25% sobre igual período do ano anterior, informou o grupo de varejo na noite de quarta-feira. A empresa apurou alta de 12% na receita líquida, a R$ 14 bilhões, nos três últimos meses de 2018, enquanto as despesas com vendas gerais e administrativas subiram 1,9%, R$ 2,29 bilhões no período.

LEIA MAIS: Assaí puxa alta de 12,4% do Grupo Pão de Açúcar

A margem bruta recuou 2,7 pontos percentuais, para 22,8%, no quarto trimestre, pressionada por queda de 4,2 pontos percentuais na divisão de multivarejo, que reúne as bandeiras Pão de Açúcar e Extra. Na divisão de atacarejo, da bandeira Assaí, a margem ficou praticamente estável, em 18,2%. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado consolidado subiu 8,4%, para R$ 1 bilhão, com queda de 29,3% na divisão de multivarejo e alta de 35,5% no Assaí. A companhia estimou crescimento de vendas nas mesmas lojas em 2019 de ao redor de 1 ponto percentual acima da inflação medida pelo IPCA na divisão multivarejo e expansão de 2 pontos acima da inflação no Assaí, com receita crescendo mais de 20%.

Para o Ebitda, o GPA espera alta de 0,3 ponto percentual na margem este ano no multivarejo e expansão de 0,3 a 0,4 ponto no Assaí.

A empresa estimou ainda manter o investimento entre R$ 1,7 bilhão e R$ 1,8 bilhão em 2019, que serão usados em iniciativas que incluem abertura de 15 a 20 lojas Assaí, reformas em lojas do Pão de Açúcar e abertura de “no mínimo” 15 lojas de proximidade.

O GPA informou também que autorizou nova venda de participação na rede de móveis e eletrodomésticos Via Varejo. A fatia será reduzida em 3,09%, equivalente a 40 milhões de ações ordinárias, para 36,27%. A operação vai ocorrer em 25 de fevereiro no ambiente de negociação da B3.

“A companhia vem perseguindo a alienação do remanescente da participação acionária detida na Via Varejo para um investidor estratégico. Se as condições assim indicarem, o mesmo objetivo poderá ser alcançado através de operações disponíveis no mercado de capitais”, afirmou o GPA em comunicado ao mercado.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).