Dólar avança quase 1% ante real

Getty Images
Às 12h34, a moeda norte-americana avançava 0,96%, a R$ 3,8728 na venda

O dólar acelerou a alta ante o real hoje (7), acompanhando o movimento global de moedas, com o Banco Central Europeu sob os holofotes, enquanto, no front doméstico, receios sobre o andamento da reforma da Previdência chancelavam o viés mais cauteloso.

LEIA MAIS: Dólar avança e fecha na casa dos R$ 3,83

Às 12h34, a moeda norte-americana avançava 0,96%, a R$ 3,8728 na venda, após ter recuado a R$ 3,8168 mais cedo. O dólar futuro subia cerca de 0,6%.

No exterior, o dólar subia cerca de 0,5% contra uma cesta de moedas.

A divisa norte-americana acelerou a alta contra o real após o BCE cortar hoje previsões de crescimento e inflação na zona do euro, bem como adiar para o próximo ano o momento de sua primeira alta de juros pós-crise e oferecer aos bancos novas rodadas de empréstimos baratos.

A medida de estímulo já era prevista por agentes financeiros globais, mas os cortes nas projeções, com Mario Draghi, presidente do BCE, citando um “período de fraqueza contínua e incerteza disseminada”, foram uma surpresa, levando rendimentos de títulos do governo e o euro a caírem.

De acordo com o operador de câmbio da Advanced Corretora, Alessandro Faganello, a fala de Draghi estressou o mercado, sobretudo o comentário de que os cortes nas previsões estão relacionados à desaceleração do crescimento global. “O estímulo já era esperado, mas os cortes de repente abrem uma discussão maior”, avaliou

No panorama doméstico, cresce no mercado certa cautela com relação à reforma da Previdência em meio à ausência de notícias sobre a matéria, com o mercado monitorando os próximos passos da tramitação, como a instalação das comissões especiais na Câmara dos Deputados.

VEJA TAMBÉM: Dólar fecha em alta ante real com cautela dos investidores

Também há razoável preocupação entre agentes financeiros de que as recentes publicações controversas do presidente Jair Bolsonaro no Twitter possam dificultar a formação da base aliada no Congresso.

“Tem havido muito ruído por parte do governo, de maneira geral, não só na condução da reforma da Previdência. Muito ruído e pouca discussão econômica. Cria um pouco um sentimento de preocupação, de proteção, por parte dos agentes”, afirmou o economista-sênior do Banco Haitong, Flávio Serrano.

Prevalece a percepção de aprovação do texto no segundo semestre do ano, mas ainda restam dúvidas quanto ao teor do conteúdo que será chancelado por parlamentares.

O Banco Central vendeu 14,5 mil swaps cambiais tradicionais, equivalente à venda futura de dólares. Assim, rolou US$ 1,45 bilhão dos US$ 12,321 bilhões que vencem em abril.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).