Dólar recua ante real com otimismo por Previdência

Getty Images
Moeda fechou a R$ 3,84 com iminente instalação da CCJ na Câmara

O dólar fechou em queda acentuada ante o real hoje (11), com a tramitação da reforma da Previdência no foco, em semana que deve contar com a instalação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara.

LEIA MAIS: Dólar recua ante real com foco na Previdência

A moeda norte-americana recuou 0,73%, a R$ 3,8418 na venda. No pregão, oscilou entre R$ 3,8676 e R$ 3,8346. O dólar futuro caía 0,72%.

Investidores avaliaram com certo otimismo a reunião que ocorreu no fim de semana entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente Jair Bolsonaro.

“Acredito que essa recuada do dólar nesta segunda-feira foi muito em virtude da reunião entre o Bolsonaro e o Maia. Isso deu uma animadinha no mercado, não uma animadona. Há também a promessa de que essa semana venha a CCJ”, afirmou o diretor de câmbio da Ourominas, Mauriciano Cavalcante.

Para quarta-feira (13), está prevista a instalação a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara, primeira parada da reforma da Previdência, afirmou Maia na semana passada.

Segundo ele, a expectativa é que, a partir de hoje, líderes das bancadas comecem a indicar formalmente integrantes da comissão para que ela possa ser instalada.

VEJA TAMBÉM: Dólar recua ante real após altas recentes

De acordo com Cavalcante, a depender do tom das notícias e desdobramentos ligados à Previdência nesta semana, a divisa norte-americana pode recuar ainda mais, procurando novamente níveis próximos a R$ 3,75 e R$ 3,80.

Apesar de o foco maior estar na Previdência, investidores também acompanharam, pela manhã, a divulgação de dados de vendas no varejo dos Estados Unidos.

A despeito de uma alta em janeiro, os dados de dezembro foram revisados para um número bem mais fraco, no pior desempenho desde dezembro de 2009, quando a economia estava saindo da recessão.

“Foi mais afirmando o que todos já esperavam: uma economia globalizada mais fraca e com tendência ainda de números piores, ruins por vir”, afirmou Cavalcante.

Permanece a percepção de que investidores estrangeiros ainda não devem retornar às negociações locais até que haja avanços mais concretos na Previdência, mas também pela avaliação de que as moedas emergentes têm pior relação risco/retorno, especialmente comparadas ao mercado de bônus, segundo nota do Goldman Sachs.

E MAIS: Dólar tem leves variações ante real

O Banco Central vendeu nesta sessão 14,5 mil swaps cambiais tradicionais, equivalente à venda futura de dólares. Assim, rolou US$ 2,9 bilhões dos US$ 12,321 bilhões que vencem em abril.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).