Ibovespa cai 0,2% e fecha no vermelho

Reuters
Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa cedeu 0,2%, a 97.828,03 pontos

O Ibovespa fechou em leve queda hoje (12), com B2W entre as maiores baixas – queda de 5,11% – depois do anúncio de investimentos da norte-americana PayPal no Mercado Livre, enquanto investidores permanecem na expectativa de novidades sobre a pauta de reformas do governo, em particular mudanças nas regras de aposentadorias.

LEIA MAIS: Ibovespa sobe 2,8% e recupera 98 mil pontos

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa cedeu 0,2%, a 97.828,03 pontos. O volume financeiro totalizou R$ 12,88 bilhões.

O recuo acontece após o Ibovespa valorizar-se 2,79% ontem (11), quando chegou a 98.026,62 pontos, maior patamar de fechamento desde 5 de fevereiro, apoiado, entre outros fatores, na expectativa de avanço no andamento da reforma da Previdência nesta semana.

Agentes financeiros viram o comportamento do Ibovespa nesta sessão como uma acomodação, o que deve continuar até avanços efetivos na tramitação da proposta da Previdência encaminhada ao Congresso Nacional no mês passado.

“Acho que continua assim até a aprovação das reformas… Devemos ver esse jogo de realização de lucros e entrada [de recursos]”, disse o chefe da área de renda variável da corretora de um banco em São Paulo, que pediu para não ter o nome citado.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa fecha em alta

Do noticiário sobre a reforma, agradou a notícia de que o governo vai liberar R$ 1 bilhão em emendas parlamentares, enquanto o mercado aguarda a instalação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara dos Deputados nesta semana, primeiro colegiado em que a reforma tramitará.

Wall Street fechou com o S&P 500 e o Nasdaq no azul, após dados de inflação chancelarem o viés ‘dovish’ (suave) do Federal Reserve, enquanto nova queda das ações da Boeing enfraqueceu o Dow Jones.

Hoje, na Europa, o Parlamento britânico rejeitou, pela segunda vez, o acordo da primeira-ministra, Theresa May, para o país deixar a União Europeia (UE), aprofundando a pior crise política do Reino Unido em gerações, 17 dias antes do prazo para a saída da nação do bloco.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).