Dólar ronda estabilidade ante real

iStock
Às 10:28, a moeda norte-americana recuava 0,05%, a R$ 3,9000 na venda

O dólar rondava a estabilidade ante o real na manhã de hoje (17), com investidores atentos à possível votação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) nesta sessão, e de olho em dados positivos da China que ajudavam a amenizar temores de desaceleração econômica.

LEIA MAIS: Dólar fecha em firme alta ante o real

Às 10:28, a moeda norte-americana recuava 0,05%, a R$ 3,9000 na venda. Na véspera, a divisa fechou com forte alta, de 0,85%, e fechou a R$ 3,9018, maior patamar de fechamento desde 29 de março. O dólar futuro também rondava a estabilidade.

Após 12 horas de sessão, a CCJ encerrou a fase de discussão sobre a reforma da Previdência e marcou para a manhã desta quarta-feira a votação sobre a admissibilidade do texto, tendo um parecer favorável do relator, deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG).

Agentes financeiros, porém, não descartam que a oposição atue para obstruir a votação, que pode ficar para após o feriado de Páscoa.

“Há uma torcida para eles votarem a admissibilidade até amanhã, mas a oposição está ferrenha no intuito de jogar isso para semana que vem. Se votar só semana que vem, será mais uma ‘mini derrota’ para o governo”, explicou a estrategista de câmbio do Banco Ourinvest, Fernanda Consorte, citando a inversão de pauta no colegiado mais cedo na semana.

“Se adiar, vai para o final de abril ainda com a reforma da Previdência na CCJ, um processo muito lento. Acho que esse dólar a R$ 3,90 sugere que há uma aversão a risco para o Brasil por conta dessa demora”.

Segundo Fernanda, um outro ponto que demanda atenção é o fato de deputados do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, terem ido contra o governo, como na questão da inversão da pauta, o que, em sua visão, explicita a fragilidade do governo.

VEJA TAMBÉM: Dólar avança ante o real

Ainda há no pregão desta quarta-feira rescaldo das medidas anunciadas na véspera pelo governo para evitar uma nova greve dos caminhoneiros, que não foram bem recebidas pela categoria.

“Isso também está dentro dos preços hoje, mais uma vez o governo foi contra o que se chamam de liberal. Fizeram exatamente o que criticavam no governo anterior. Na minha opinião, foi um grande tiro no pé”, afirmou a estrategista.

Do exterior, dados positivos vindos da China, que mostraram que o crescimento econômico se manteve no primeiro trimestre do ano, beneficiavam moedas emergentes.

Os ganhos, no entanto, eram limitados por dúvidas, uma vez que pode ser cedo demais para dizer que houve uma recuperação na economia do país asiático.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 5,350 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de maio, no total de US$ 5,343 bilhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).