Dólar sobe e encerra no maior patamar em duas semanas

Reuters
No fechamento, o dólar negociado no mercado interbancário subiu 0,83%, a R$ 3,8892 na venda

O dólar voltou a mostrar firme alta ante o real hoje (12), encerrando no maior patamar em duas semanas, puxado pela demanda do mercado por “hedge” na esteira da decisão da Petrobras de não reajustar preços do diesel, o que trouxe de volta ao radar riscos de ingerência política na estatal.

LEIA MAIS: Dólar avança 0,25% ante real

“Muito estrangeiro tomou dólar futuro hoje. É basicamente o mercado buscando proteção, ainda mais antes do fim de semana”, disse Thiago Silêncio, operador sênior de câmbio da CM Capital Markets.

Na máxima da sessão, a moeda norte-americana chegou a superar R$ 3,90, marcando R$ 3,9073 . O real amargou o pior desempenho numa lista de 33 pares do dólar nesta sexta-feira.

No fechamento, o dólar negociado no mercado interbancário subiu 0,83%, a R$ 3,8892 na venda. É o maior patamar desde 29 de março (R$ 3,9154).

Na B3, a referência do dólar futuro tinha alta de 0,80%, a R$ 3,8930.

O real já havia começado o pregão com desempenho inferior a seus pares, com a notícia de que a Petrobras desistira de reajustar o preço do diesel. A persistência de ruídos sobre a articulação do governo em prol da reforma previdenciária também pesou sobre o câmbio.

VEJA TAMBÉM: Dólar fecha em firme alta com ruídos sobre Previdência

Mas foi à tarde que o dólar tomou fôlego para valer, após o presidente Jair Bolsonaro admitir ter telefonado para o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, por causa do reajuste de 5,7% anunciado pela estatal no preço do diesel e afirmou que terá de ser convencido do percentual em uma reunião que convocou para a terça-feira (16) com representantes da estatal.

O real terminou o dia liderando as perdas globais frente ao dólar.

“O fato é que isso (a interferência na Petrobras) abriu a caixinha de riscos de ingerência política”, disse Roberto Campos, gestor sênior de câmbio da Absolute Investimentos, citando que o mercado agora se questiona sobre imposições em outras estatais. “Isso é ruim para o plano de privatizações, para a avaliação do estrangeiro sobre o país e, em último caso, para a perspectiva de fluxo”, afirmou.

Na semana, o dólar acumulou alta de 0,42%.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).