Dólar zera alta na semana e fecha a R$ 3,93

Getty Images
Falas de autoridades e dados dos EUA fazem moeda baixar

O dólar caiu pelo segundo dia seguido ante o real hoje (26), praticamente anulando a alta da semana, influenciado pelo ambiente externo positivo e pela expectativa em torno da reforma previdenciária.

LEIA MAIS: Dólar recua ante real após dados sobre PIB dos EUA

Um dia após o diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra Fernandes, dizer que a autoridade monetária não tem “preconceitos” em relação ao uso de qualquer instrumento cambial, nesta sexta foi a vez de o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmar não haver motivos estruturais para a cotação se manter acima de R$ 4.

O dólar à vista fechou esta sessão em queda de 0,62%, a R$ 3,9317 na venda.

A moeda norte-americana cedeu também no exterior, após a abertura de dados do PIB dos Estados Unidos indicar atividade mais lenta, o que reforça a postura branda do Federal Reserve na política monetária.

Na semana, o dólar acumulou alta de 0,05%. Até quarta-feira (24), a valorização acumulada era de 1,44%.

A pressão sobre o câmbio cresceu no começo da semana à medida que o mercado demonstrou mais dúvidas sobre a capacidade do governo de se articular a favor de um andamento célere da reforma da Previdência. Para o Morgan Stanley, os níveis alcançados pela moeda norte-americana parecem exagerados.

VEJA TAMBÉM: Dólar fecha em queda após fala de diretor do BC

Estrategistas do banco notam que os prêmios de risco bateram patamares similares aos vistos na época da greve dos caminhoneiros, em maio passado, e que as posições vendidas em real superaram as máximas das eleições presidenciais.

“Isso potencialmente fortalece o caso de o real não ter uma performance tão fraca quanto a temida, conforme preço e posicionamento se alinham”, afirmam estrategistas em nota.

O Morgan Stanley estima dólar de R$ 3,50 ao fim deste ano. Na Focus, a mediana das projeções colhidas pelo Banco Central aponta taxa de R$ 3,75.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).