Londres aprova torre financiada por Jacob Safra

Getty Images
O edifício deve ser a segunda torre mais alta da Europa Ocidental, ficando atrás apenas do prédio vizinho “Shard”

Os planos para a construção de uma torre de observação de vidro em forma de tulipa de cerca de 300 metros de altura em Londres foram aprovados hoje (2) pelas autoridades locais.

LEIA MAIS: Mundo tem 18 novos bilionários brasileiros

O edifício, financiado pelo bilionário brasileiro Jacob Safra, deve ser a segunda torre mais alta da Europa Ocidental quando for finalizado, ficando atrás apenas do prédio vizinho “Shard”.

Apesar de a decisão de separação do Reino Unido da União Europeia em 2016 ter criado dúvidas sobre o mercado imobiliário londrino, os planos de construção da Tulipa foram vistos como um voto de confiança na cidade.

As autoridades responsáveis pelo planejamento do distrito financeiro de Londres recomendaram hoje que o edifício Tulip – assim batizado por ter uma haste fina encimada por um bulbo de vidro – receba permissão de andamento. A aprovação veio apesar das críticas de que a estrutura, projetada pela Foster and Partners, bloqueará a vista da Torre de Londres e dos temores do Aeroporto da Cidade de Londres de que ela interfira com a cobertura de radar.

“Após um debate prolongado e robusto, o comitê concordou em aprovar esta atração turística verdadeiramente única”, disse o presidente do comitê de planejamento, Chris Hayward.

VEJA TAMBÉM: Lemann perde o posto de homem mais rico do Brasil

O edifício consistirá de uma plataforma de observação de vidro, cápsulas rotatórias no exterior e um centro educativo. A construção deve começar no ano que vem e terminar em 2025.

Durante séculos, a catedral de São Paulo, reconstruída pelo arquiteto Sir Christopher Wren no século 17, foi a estrutura mais alta da capital britânica, mas hoje o cenário da cidade está mudando rapidamente. Há mais de 541 edifícios de 20 andares ou mais sendo projetados em Londres, segundo pesquisa da organização independente de arquitetura New London Architecture.

Críticos afirmam que a cidade está se tornando cada vez mais apinhada de torres de metal e vidro que têm pouco valor arquitetônico e que minimizam monumentos históricos.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).