Lucro da ADM cai 41% no 1º tri por enchentes

A receita da ADM caiu para US$ 15,30 bilhões, de US$ 15,53 bilhões

A companhia do agronegócio norte-americana Archer Daniels Midland (ADM) reportou uma queda de 41% no lucro do primeiro trimestre hoje (26), na sequência de inundações e condições climáticas severas que atingiram o Meio-Oeste dos Estados Unidos no início deste ano.

LEIA MAIS: ADM lucra abaixo do esperado no 4º tri

A empresa, que comercializa, processa e transporta produtos agrícolas, como milho, soja e trigo, tem procurado fortalecer seus principais negócios e, no mês passado, disse que buscaria aposentadorias antecipadas voluntárias de alguns funcionários norte-americanos. Também cortaria empregos como parte do processo de reestruturação.

A ADM é o “A” do chamado quarteto de comerciantes de culturas globais “ABCD”, que também inclui a Bunge, a Cargill e a Louis Dreyfus.

“O primeiro trimestre mostrou-se mais desafiador do que inicialmente esperado”, disse o presidente-executivo da ADM, Juan Luciano.

A empresa espera reduzir seus gastos de capital em 2019 em 10%, para entre US$ 800 milhões e US$ 900 milhões.

O lucro líquido atribuível à empresa caiu para US$ 233 milhões, ou US$ 0,41 por ação, nos três meses encerrados em 31 de março, de US$ 393 milhões, ou US$ 0,70 por ação, um ano antes.

A receita caiu para US$ 15,30 bilhões, de US$ 15,53 bilhões.

CISÃO NO ETANOL

Problemas contínuos no ambiente da indústria do etanol dos EUA se somaram às dificuldades da empresa e “margens e oportunidades limitadas” para a ADM, disse Luciano.

VEJA TAMBÉM: ADM vai comprar fatia da InVivo na Gleadell

A indústria do etanol tem estado em meio a uma desaceleração histórica devido ao atual conflito comercial com a China, excesso de oferta interna e margens fracas.

A ADM, que tinha sido pioneira em etanol, indicou para o mercado em 2016 que estava procurando opções e considerando as vendas de suas usinas de etanol produzido a seco nos EUA.

Luciano disse à Reuters no início deste ano que as ofertas que a ADM recebeu pelas usinas eram muito baixas.

Nesta sexta-feira, a empresa informou que estava criando uma subsidiária de etanol, que incluirá as usinas a seco da ADM em Columbus, Nebraska; Cedar Rapids, Iowa; e Peoria, Illinois.

A subsidiária de etanol apresentará um relatório como um segmento independente, disse a empresa, e dará à ADM a capacidade de avançar com diferentes opções para esse negócio, “o que pode incluir, mas não se limita, a uma potencial cisão do negócio para os atuais acionistas da ADM”.

Além disso, a ADM disse que planeja reaproveitar sua usina de “milho úmido” em Marshall, Minnesota, para produzir maiores volumes de amido alimentar e industrial.

A ADM não seria a primeira grande trading a tentar se distanciar dos negócios de etanol em dificuldades. A Louis Dreyfus Company desmembrou seu negócio brasileiro de açúcar e etanol na Biosev em 2013.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).