P&G supera estimativas de lucro com aumento de preços

Forbes
Vendas orgânicas crescem 5% no terceiro trimestre

Preços mais altos e maior demanda por produtos de tecidos e de beleza ajudaram a Procter & Gamble a superar estimativas de analistas para receita e lucro trimestral hoje (23), mesmo com as vendas de produtos prejudicadas por um fortalecimento do dólar norte-americano.

LEIA MAIS: P&G eleva projeção de vendas anuais

A P&G, que fabrica os produtos de cuidados de pele Olay e o detergente Tide, elevou os preços de muitos itens para compensar os altos custos de commodities e de transporte que abalaram a indústria de bens de consumo no ano passado.

Os preços mais elevados também ajudaram a P&G a aliviar o impacto de um dólar norte-americano mais forte, com a empresa número 1 de produtos de higiene pessoal fazendo mais da metade de suas vendas fora da América do Norte.

A P&G, cujas marcas incluem as fraldas Pampers e os odorizadores Febreze, registrou um aumento de 5% nas vendas orgânicas no terceiro trimestre, uma métrica cuidadosamente observada que exclui o impacto das mudanças cambiais, fusões e aquisições. Os aumentos de preço contribuíram com 2 pontos percentuais para o crescimento das vendas orgânicas.

As vendas orgânicas de cuidados domésticos e de tecidos, a maior unidade da P&G, aumentaram 7%. Os produtos de beleza tiveram um aumento de 9% nas vendas orgânicas, ajudado pela marca premium SK-II.

O lucro líquido atribuível à empresa subiu para US$ 2,75 bilhões, ou US$ 1,04 por ação, no trimestre encerrado em 31 de março. Excluindo itens, a empresa lucrou US$ 1,06 por ação, superando a estimativa média de analistas de US$ 1,03 por ação.

As vendas líquidas aumentaram 1,1%, para US$ 16,46 bilhões, superando a estimativa média dos analistas de US$ 16,37 bilhões, segundo dados do IBES da Refinitiv.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).