Receita do Spotify supera estimativas no 1º tri

A receita do Spotify subiu 33%, para € 1,51 bilhão

O Spotify informou hoje (29) um aumento maior do que o esperado na receita do primeiro trimestre, quando a empresa atingiu 100 milhões de assinantes pagos por seu serviço premium.

LEIA MAIS: Spotify e compositores brigam por salários

Líder global no setor, com o dobro do número de assinantes da concorrente Apple Music, o Spotify foi lançado em regiões como Índia, Oriente Médio e Norte da África nos últimos meses, buscando impulsionar o próximo estágio de seu desenvolvimento à medida que continua com seus preços agressivos no mundo desenvolvido.

O Spotify disse que tinha 217 milhões de usuários ativos mensais em março, ante 173 milhões no mesmo trimestre do ano anterior. Os analistas esperavam, em média, que a empresa tivesse 218,6 milhões de assinantes, segundo a empresa de pesquisa FactSet.

Os assinantes premium, ou pagantes, no final do trimestre foram de 100 milhões, acima dos 75 milhões do ano anterior. Os analistas esperavam que a empresa tivesse 99 milhões de assinantes pagos.

A receita subiu 33%, para € 1,51 bilhão, superando as estimativas dos analistas de € 1,47 bilhão, segundo dados do IBES da Refinitiv.

A Europa contribuiu com 40% do total de assinantes pagos, seguida pela América do Norte com 30%.

O Spotify disse que espera ter entre 107 milhões e 110 milhões de assinantes premium até o final do trimestre atual.

VEJA TAMBÉM: Apple supera Spotify nos EUA em assinaturas pagas

O Spotify também disse que prevê uma receita total de € 1,51 bilhão a € 1,71 bilhão no segundo trimestre. Os analistas esperam € 1,62 bilhão.

A empresa divulgou um prejuízo atribuível aos acionistas de € 0,79 por ação. Os analistas esperavam uma perda de € 0,35 por ação.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).