Chewbacca estreia “Star Wars” em parque da Disney

Reprodução Reuters
George Lucas criou a franquia de filmes “Star Wars” em 1977 e a vendeu à Disney em 2012

Chewbacca entrou na cabine da Millennium Falcon e fogos de artifício brilharam no céu quando a Walt Disney inaugurou sua nova atração “Star Wars” no Disneyland Resort, na Califórnia, na noite de ontem (29).

VEJA TAMBÉM: Acompanhe os anúncios de “Star Wars Jedi: Fallen Order”

“Chewie, vamos acionar a Falcon!”, disse Mark Hamill, o ator que interpreta Luke Skywalker, na cerimônia de inauguração da área de 5,6 hectares agora chamada “Star Wars: Galaxy’s Edge”, que abre para o público amanhã (31).

O Wookiee peludo teve dificuldade para ligar a espaçonave gigantesca, levando Harrison Ford, intérprete de Han Solo, a surpreender a plateia ao oferecer ajuda.

Ford bateu na lateral da nave e disse: “Peter, esta é para você”. A saudação foi uma referência a Peter Mayhew, o ator que encarnou Chewbacca em cinco filmes e morreu em abril.

Ford subiu ao palco ao lado de Hamill, do diretor-executivo da Disney, Bob Iger, do criador de “Star Wars”, George Lucas, e de Billy Dee Williams, que interpretou Lando Calrissian.

George Lucas criou a franquia de filmes “Star Wars” em 1977 e a vendeu à Disney em 2012. Ele aprovou com entusiasmo o “Galaxy’s Edge”, situado no Entreposto do Pináculo Negro, um assentamento em um planeta chamado Batuu que apareceu em livros “Star Wars”, mas nunca nas telas. “Vocês fizeram um ótimo trabalho”, disse a Iger. “Poderia ter dado muito errado, mas não deu. Isto é incrível, algo com que nem dava para sonhar cerca de 20 anos atrás. Mudará as suas vidas.”

E AINDA: Conheça a startup de US$ 3,5 mi por trás de “Star Wars” e “Mulher-Maravilha”

A terra oferecerá aos visitantes a chance de entrar na cabine da Millennium Falcon e controlar um voo simulado. Os visitantes também podem beber leite azul, comer carne espacial assada em um motor de pod de corrida sobressalente e tomar uma bebida em uma cantina no espaço sideral.

As expectativas são altas para as gerações de fãs da saga, muitos dos quais esperaram 40 anos desde o filme original para visitar uma versão realista da galáxia muito, muito distante.

“O objetivo era ser ambicioso, muito ambicioso”, disse Iger em uma entrevista concedida na manhã de ontem. “Ser ousado, mas não só ousado em termos de escala, mas em termos de detalhes, arte, tecnologia e para ter certeza, acima de tudo, que estamos agradando o fã mais ardoroso de ‘Star Wars’.”

Iger disse que é “provável que o “Galaxy’s Edge” seja levado para outros países, mas que a empresa ainda não decidiu os locais futuros.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).