Dólar se ajusta para cima após queda da semana passada

Reuters
A moeda norte-americana à vista avançou 0,48%, a R$ 4,0352 na venda

O dólar subiu ante o real hoje (27), num dia de tom misto para moedas emergentes e com renovadas discussões sobre chances de queda de juros no Brasil prejudicando a atratividade da moeda doméstica.

LEIA MAIS: Dólar tem leves variações ante o real

A moeda norte-americana à vista avançou 0,48%, a R$ 4,0352 na venda. Na B3, o contrato de dólar futuro mais negociado tinha alta de 0,30%, a R$ 4,0380.

No exterior, o dólar subia contra o peso mexicano e o rand sul-africano, mas perdia terreno frente à lira turca. Contra uma cesta de moedas, a divisa ganhava 0,14%.

Pela 13ª semana consecutiva, analistas revisaram para baixo as expectativas para o crescimento econômico em 2019. Isso dá respaldo a cenários favoráveis a queda da Selic, que a 6,50% ao ano já é responsável pelo diferencial de juros nas mínimas históricas.

Com a menor “vantagem” em termos de retorno, diminuem os estímulos a ingressos de recursos para renda fixa, o que prejudica a oferta de dólares no país.

O DI janeiro 2021, que captura expectativas para o rumo da política monetária até o fim de 2020, bateu uma mínima histórica nesta sessão.

VEJA TAMBÉM: Dólar tem maior queda semanal em quase 4 meses

A questão política segue como um fator de volatilidade e pressão ao câmbio.

Embora o mercado tenha reagido bem ao tom das manifestações pró-governo realizadas na véspera, persistem incertezas sobre a capacidade do governo de se articular com o Congresso em busca de votos para o projeto da reforma da Previdência, visto pelo mercado como essencial.

Com a esticada do dólar nas últimas semanas, o Goldman Sachs decidiu elevar a estimativa para a moeda norte-americana ao fim dos próximos três meses de R$ 3,80 para R$ 4,00.

“Claramente, os riscos políticos têm aumentado. E se os desdobramentos políticos e macro continuarem a se deteriorar, nossa visão de longo prazo para o real, que hoje é mais positiva, também será alterada”, disse o banco em nota a clientes, assinada pelo estrategista Zach Pandl.

O mercado de forma geral prevê a taxa de câmbio em R$ 3,80 ao fim deste ano, segundo a pesquisa Focus do Banco Central.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).