Estados Unidos aliviam restrições a Huawei

Zhang Peng/LightRocket/Getty Images
Fundador Ren Zhengfei diz que Washington subestima empresa chinesa

Os Estados Unidos aliviaram temporariamente as restrições comerciais à chinesa Huawei para minimizar os transtornos a seus clientes, medida que o fundador da maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo disse ter pouco significado porque ela já estava preparada para a ação dos EUA.

LEIA MAIS: Huawei acusa EUA de intimidação e diz falar com Google

O Departamento do Comércio dos EUA proibiu a Huawei Technologies de comprar produtos norte-americanos na semana passada, dizendo que a empresa estava envolvida em atividades que apresentavam risco à segurança nacional do país.

A decisão ocorreu em meio a uma crescente disputa sobre as práticas comerciais entre Pequim e Washington. Os dois países aumentaram as tarifas de importação sobre produtos um do outro nas últimas duas semanas, depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que a China havia quebrado compromissos anteriores feitos durante meses de negociações.

Ontem (20), o Departamento de Comércio concedeu a Huawei uma licença de compra de produtos dos EUA até 19 de agosto para manter as redes de telecomunicações existentes em atividade e fornecer atualizações de software para os smartphones da companhia.

A empresa chinesa ainda está proibida de comprar hardware e software produzidos nos EUA para fabricar novos produtos sem licenças adicionais, que são difíceis de obter.

A medida tem o objetivo de dar às operadoras de telecomunicações que dependem de equipamentos da Huawei tempo para fazer outros planejamentos, disse o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, em comunicado emitido ontem. “Em suma, esta licença permitirá que as operações continuem para os atuais usuários de telefones celulares da Huawei e redes rurais de banda larga”, disse Ross.

VEJA TAMBÉM: Huawei diz que vai continuar oferecendo suporte

O fundador da Huawei, Ren Zhengfei, disse hoje (21), em uma série de entrevistas à mídia estatal chinesa, que o alívio não tem muito significado para a fabricante de equipamentos de telecomunicação, pois a empresa já estava se preparando para tal cenário. “As ações do governo dos EUA no momento subestimam nossa capacidade”, disse Ren em entrevista à CCTV, de acordo com uma transcrição publicada pela emissora estatal chinesa.

A licença temporária sugere que mudanças na cadeia de suprimentos da Huawei podem ter consequências imediatas, de longo alcance e não intencionais para seus clientes.

O Departamento de Comércio informou que vai avaliar se prolonga o período de licença para além dos 90 dias.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).