EUA podem colocar empresa chinesa de vigilância em lista negra

Reuters
As restrições limitariam a capacidade da Hikvision de comprar tecnologia dos Estados Unidos

O governo norte-americano está considerando sanções semelhantes às impostas contra a Huawei para a empresa chinesa de vigilância por vídeo Hikvision, segundo relatos da imprensa, aumentando as preocupações de que o atrito comercial entre as duas principais economias do mundo possa se agravar ainda mais.

LEIA MAIS: Huawei deve perder 50% das vendas se não tiver os serviços do Google

As restrições limitariam a capacidade da Hikvision de comprar tecnologia dos Estados Unidos e as empresas norte-americanas podem ter que obter a aprovação do governo do país para fornecer componentes para a empresa chinesa, publicou o “New York Times” ontem (22).

Os EUA colocaram a Huawei em uma lista negra de comércio na semana passada, proibindo efetivamente que empresas dos EUA façam negócios com a maior fabricante de equipamentos de rede de telecomunicações do mundo, em uma grande escalada na guerra comercial.

O governo de Donald Trump acusa a Huawei de atividades contrárias à segurança nacional dos EUA, uma alegação que a empresa nega. No entanto, apesar da suposta preocupação com a segurança do país, esta semana Washington concedeu à Huawei uma licença para comprar produtos norte-americanos até 19 de agosto para minimizar o transtorno para os clientes.

A Huawei afirma que pode garantir uma cadeia de fornecimento estável de componentes sem a ajuda dos EUA. Uma executiva da Hikvision fez comentários na mesma linha.

VEJA TAMBÉM: Huawei acusa EUA de intimidação e diz falar com Google

“Mesmo que os EUA parem de vendê-los para nós, podemos remediar isso através de outros fornecedores”, disse uma executiva da Hikvision, pedindo para não ser identificada devido à sensibilidade do assunto.

“Os chips usados pela Hikvision são muito comerciais e a maioria dos fornecedores está na China”, disse ela, mas ela acrescentou que a empresa não foi informada sobre nenhuma possível inscrição em lista negra dos EUA.

A Casa Branca não comentou o assunto.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).