Google abandona Huawei após restrições de Trump

Getty Images
Na quinta, Casa Branca adicionou a Huawei a uma lista negra de comércio

O Google suspendeu negócios com a Huawei que exigem a transferência de produtos de hardware e software, exceto aqueles cobertos por licenças de código aberto, segundo uma fonte, em um golpe na empresa de tecnologia chinesa que o governo dos Estados Unidos tem empurrado para a margem em todo o mundo. A Huawei Technologies perderá imediatamente o acesso a atualizações do sistema operacional Android, e a próxima versão de seus smartphones fora da China também deixará de ter acesso a aplicativos e serviços populares, incluindo o aplicativo Google Play Store e o Gmail.

LEIA MAIS: Estados Unidos colocam Huawei em “lista negra”

Os detalhes dos serviços específicos ainda estão sendo discutidos internamente no Google, de acordo com a fonte. Os advogados da Huawei também estão estudando o impacto das ações do Departamento de Comércio dos EUA, disse um porta-voz da Huawei na sexta-feira. A Huawei não estava imediatamente disponível para mais comentários. Representantes do Departamento de Comércio dos EUA não fizeram comentários imediatos.

A Huawei continuará a ter acesso à versão do sistema operacional Android disponível através da licença de código aberto que é livremente aberta a qualquer um que deseje usá-la. Mas o Google deixará de fornecer suporte técnico e colaboração para os serviços do Android e do Google para a Huawei, disse a fonte.

Na quinta-feira, o governo Trump oficialmente adicionou a Huawei a uma lista negra de comércio, imediatamente aprovando restrições que tornarão extremamente difícil para a gigante de tecnologia fazer negócios com empresas norte-americanas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).