Ibovespa sobe 0,92% e fecha na máxima em 10 semanas

Getty Images
Maior confiança sobre melhora da economia influenciou pregão

O principal índice da bolsa paulista encerrou em alta pela quarta sessão seguida hoje (30), sustentado um cenário de maior confiança de investidores sobre a melhora da economia, apesar de o país ter registrado queda no Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, a primeira desde 2016.

LEIA MAIS: Ibovespa vira no ajuste e fecha em leve alta

O Ibovespa subiu 0,92%, a 97.457,36 pontos, na maior pontuação de fechamento desde 20 de março, quando atingiu 98.041,37 pontos. O giro financeiro somou R$ 14 bilhões.

Com a sequência de altas, o Ibovespa passa a ter, até ontem (29), uma valorização de 1,15%. Caso a trajetória se mantenha, o mês se diferenciará dos fechamentos em queda registrados nos últimos nove anos.

“Essa alta mostra que o investidor mantém a confiança de que haverá melhora na economia doméstica caso a reforma da Previdência seja aprovada”, afirmou o assessor da SVN Investimentos Vladimir Pires Martins Filho.

Ele acrescentou que o discurso alinhado dos líderes do governo e do Congresso sobre a importância do andamento das pautas econômicas ajudou a reduzir o impacto do crescimento negativo do país divulgado nesta quinta-feira.

Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a economia teve retração de 0,2% no primeiro trimestre deste ano em relação aos últimos três meses de 2018, a primeira queda trimestral desde o fim de 2016.

VEJA TAMBÉM: Ibovespa atinge máxima em quase 5 semanas

Em meio a protestos em várias cidades do país contra cortes na Educação, o ministro da Economia, Paulo Guedes, avaliou que a queda do PIB não é novidade para o governo, e ressaltou que a realização das reformas econômicas é fundamental para a retomada do crescimento econômico.

No exterior, as principais bolsas nos Estados Unidos encerraram em alta, com investidores monitorando o andamento da retórica comercial entre Washington e Pequim.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).