Oi prevê investir R$ 7 bilhões em 2019

Getty Images
CFO diz que foco da empresa está na expansão de fibra de alta velocidade

A Oi planeja investir anualmente R$ 7 bilhões até 2020, concentrando-se principalmente na expansão de seu serviço de banda larga de fibra de alta velocidade (FTTH), disse o vice-presidente financeiro, Carlos Brandão, hoje (14).

LEIA MAIS: Oi contrata BofA Merrill Lynch e Boston Consulting

“Nosso plano de investimentos é todo financiado no primeiro ano e temos até R$ 7 bilhões em ativos para serem monetizados no curto prazo”, disse Brandão a analistas.

Em 2018, a Oi fez investimentos de R$ 6,1 bilhões.

A empresa contratou o Bank of America Merrill Lynch para estudar e estruturar a venda de ativos não essenciais, como parte de uma revisão estratégica mais ampla que deve ser concluída até meados de junho, acrescentou.

Por ora, a aceleração da rede FTTH está no centro da estratégia da Oi. A empresa pode adicionar 250 mil residências por mês ao serviço de banda larga de alta velocidade neste ano.

“Estamos investindo pesado para acelerar a expansão da fibra, pois será um importante fator de criação de valor no segmento B2B”, afirmou.

VEJA TAMBÉM: Oi pede à Justiça autorização para venda de operadora em Timor Leste

Na telefonia móvel, a Oi espera reverter nos próximos trimestres a tendência de queda nas receitas, ajudada principalmente por resultados promissores no pós-pago, enquanto a automação e outras iniciativas digitais devem reduzir as despesas operacionais, acrescentou Brandão.

Analistas do BTG Pactual disseram que, embora os resultados operacionais continuem a sofrer, os custos parecem sob controle e mantiveram recomendação de compra para as ações.

“Esperamos ouvir notícias positivas sobre a frente regulatória (PLC 79) no curto prazo e continuar a ver a Oi como um ativo estratégico exclusivo para os players locais e estrangeiros”, escreveram os analistas em relatório.

Em junho de 2016, a Oi apresentou o pedido de recuperação judicial da América Latina para reestruturar uma dívida de aproximadamente R$ 65 bilhões, desencadeando uma batalha entre credores e acionistas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).