Suzano tem prejuízo de R$ 1,23 bi no 1º tri

Forbes
Queda nas vendas de celulose e papel impactou resultado

A Suzano teve prejuízo líquido de R$ 1,23 bilhão no primeiro trimestre, revertendo ganho obtido um ano antes, com impacto de aumento do resultado financeiro negativo e queda nas vendas de celulose e papel.

LEIA MAIS: Ibovespa fecha no azul com RD e Suzano em destaque

A companhia afirmou no balanço que o resultado financeiro do período ficou negativo em R$ 1,94 bilhão após prejuízo de R$ 427 milhões no primeiro trimestre do ano passado. Pesou na conta as operações para incorporação da rival Fibria e também variações cambiais.

A Suzano apurou geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de R$ 2,76 bilhões, queda de 18% na comparação anual.

Analistas esperavam, em média, Ebitda de R$ 2,63 bilhões para o período, segundo dados da Refinitiv. Não ficou imediatamente claro se os números são comparáveis.

A empresa, maior produtora de celulose de eucalipto do mundo que divulgou mais cedo que vai cortar produção para lidar com excesso de estoques globais do insumo, teve queda de 27,2% no volume de vendas do primeiro trimestre sobre um ano antes.

“Nosso objetivo é gerar mais valor no longo prazo e, para isso, temos sido consistentes em nossa estratégia comercial, de forma a contribuirmos para uma menor volatilidade de preços no mercado”, disse o presidente-executivo da Suzano, Walter Schalka em comunicado à imprensa.

VEJA TAMBÉM: Lucro da Suzano dispara no 4º tri com ajuda do dólar

Segundo a Suzano, o preço líquido médio de venda de celulose da empresa no primeiro trimestre ficou em US$ 705 a tonelada, uma queda de 2% sobre o mesmo período do ano passado.

Além da venda de celulose ter recuado quase 3% na comparação anual, a venda de papel caiu 3,5%.

Com isso, a receita líquida da companhia recuou 15% no primeiro trimestre sobre os três primeiros meses do ano passado, para R$ 5,7 bilhões. A estimativa média de analistas para esta linha era de faturamento de R$ 5,6 bilhões, segundo a Refinitiv.

A Suzano terminou o trimestre com uma relação de dívida líquida sobre Ebitda ajustado de 3,4 vezes em reais e de 3,3 vezes em dólares. Um ano antes as relações eram de 1,9 vez para ambas as moedas.

A companhia informou no balanço que prevê investimento de R$ 6,4 bilhões em 2019, dos quais R$ 1,4 bilhão serão aplicados em compra de terras e florestas.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).