Bitcoin atinge pico em 18 meses e passa de US$ 12mil

Getty Images
Criptomoedas estão sendo impulsionadas pelo interesse na libra, do Facebook

O bitcoin saltou para o maior nível em 18 meses hoje (26), um avanço que analistas afirmaram que foi causado por operadores nervosos que buscam segurança em investimentos alternativos e por expectativa de que o projeto de moeda digital do Facebook, libra, podessa impulsionar as criptomoedas.

O valor do bitcoin tem subido desde abril e a moeda era negociada perto de US$ 13 mil nesta quarta-feira, acumulando uma valorização de 240% desde o início do ano, embora ainda continue longe do recorde de quase US$ 20 mil.

A moeda tem subido nos últimos oito dias e o Facebook afirmou que vai oferecer sua própria criptomoeda, a libra, até o final de junho de 2020.

“[O bitcoin] obviamente parece estar se beneficiando de algum tipo de fluxo que também está beneficiando o ouro”, disse Michael Hewson, estrategista-chefe de mercados na CMC Markets. “Você tem todas essas notícias sobre a libra, o que renova o interesse no bitcoin. Criptomoedas voltaram a ficar em voga.” Ele acrescentou, porém, que os investidores que estão comprando bitcoin são especuladores.

Com grandes bancos centrais mantendo taxas de juros próximas de mínimas históricas, investidores têm buscado formas de diversificar seus portfólios, incluindo criptomoedas, afirmam analistas.

Os volumes de futuros do bitcoin na CME aumentaram nos últimos dias, conforme investidores buscam colocar as mãos na moeda por meio do mercado de derivativos. O bitcoin era negociado às 12h51 (horário de Brasília) a US$ 12.807 na bolsa Bitstamp, depois de alcançar um pico de US$ 12.935 mais cedo, no pregão asiático.

Desde o início de maio, o bitcoin acumula valorização de 150%. Outras moedas digitais, como ether e XRP, também acumularam ganhos expressivos no período.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).