EUA inicia cobrança de taxas mais altas de produtos da China

Reuters
A taxa alfandegária para produtos que chegam ao EUA através dos portos será em torno de 25%

Os Estados Unidos começaram a cobrar taxas de importação mais altas, em torno de 25%, sobre bens chineses que chegam ao país através dos portos, em uma escalada da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, o que abre a porta para uma resposta do governo chinês.

LEIA MAIS: Huawei abre ação contra lei dos EUA

O presidente americano, Donald Trump, impôs o aumento das taxas aos produtos chineses no dia 10 de maio, mas havia permitido um prazo adicional para os carregamentos marítimos que haviam deixado a China até esta data.

O governo norte-americano estabeleceu o limite de 1º de junho para o uso da taxa alfandegária anterior, que era de 10%. A partir dessa data, o imposto passaria aos 25% anunciados.

O aumento inclui diversos setores, como eletrodomésticos, móveis, produtos de iluminação e modens e roteadores para internet.

Antes mesmo de hoje (1), a China começou a aplicar taxas adicionais a uma lista de importações, em resposta às ações norte-americanas, que ficam entre 20% e 25% sobre mais da metade dos 5.140 produtos norte-americanos listados pelas autoridades chinesas. Antes disso, taxas de 5% a 10% já tinham sido implementadas.

Não há novas rodadas de negociações programadas entre os dois países, desde que o último encontro, no dia 10 de maio – mesmo dia em que Trump anunciou as novas barreiras – terminou em impasse.

O presidente norte-americano acusou a China de romper um acordo para encerrar a disputa comercial ao voltar atrás em compromissos acordados em meses de negociação, o que o governo chinês nega.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).