Dólar cai ante o real

iStock
Às 10:21, a moeda norte-americana recuava 0,65%, a R$ 3,8017 na venda

O dólar caía ante o real hoje (4), com otimismo no mercado em relação à aguardada votação da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara dos Deputados, em dia de mercados fechados nos Estados Unidos devido a feriado nacional.

LEIA MAIS: Dólar fecha em queda, e real é destaque global

Às 10:21, a moeda norte-americana recuava 0,65%, a R$ 3,8017 na venda. Mais cedo, na mínima do pregão, o dólar tocou R$ 3,7928, menor patamar desde 18 de março, quando fechou a R$ 3,7916 na venda. Na véspera, o dólar recuou 0,74%, a R$ 3,8264 na venda. Neste pregão, o dólar futuro cedia 0,65%.

Em sessão marcada pelo feriado do Dia da Independência nos Estados Unidos, agentes financeiros se voltam com otimismo para a votação da proposta de reforma da Previdência na comissão especial.

Pouco após as 10h desta quinta-feira, a sessão na comissão especial, em que deve ser votado o texto, foi aberta. Pouco antes, o presidente do colegiado, deputado Marcelo Ramos (PL-AM) disse que a expectativa é votar a proposta ainda nesta manhã.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que já há os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência no plenário da Casa, de acordo com a Agência Câmara.

Com isso, crescem as possibilidades de que o texto seja votado antes do início do recesso parlamentar, em 18 de julho, como era almejado pelo governo e por Maia.

“O mercado tem razão para estar otimista. Se o presidente da comissão está falando, é porque de fato isso deve acontecer agora de manhã. Maia também falou que está dado como certa a quantidade de votos”, avaliou o operador de câmbio da Advanced Corretora Alessandro Faganello.

VEJA TAMBÉM: Dólar abre com pouca variação ante real

Segundo Faganello, caso o texto seja aprovado na comissão especial e, em seguida, no plenário da Câmara antes do recesso, o câmbio poderá ver uma mudança de patamar. Já nesta quinta-feira, a moeda está testando quebrar a barreira dos R$ 3,80.

Somando ao bom humor com a cena local, o real, assim como outras moedas emergentes, também era beneficiado neste pregão por esperanças de cortes de juros nos Estados Unidos, após dados econômicos mornos que somam à pressão sobre o Federal Reserve para que a autoridade atue neste sentido.

Investidores trazem no radar a divulgação dos dados de criação de vagas de trabalho na sexta-feira.

Também corrobora para o sentimento a percepção de que a indicação de Christine Lagarde para o comando do Banco Central Europeu manterá a autoridade monetária europeia em um caminho dovish (suave).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).