Dólar abre em ligeira queda ante real

Reuters
Exterior tem melhora no exterior após China atuar no câmbio

O dólar recuava ante o real na abertura do pregão de hoje (6), recuperando parte das perdas da sessão anterior em meio a uma ligeira melhora no sentimento no exterior, após a China atuar para conter a queda do yuan após a moeda romper a marca de 7 por dólar na véspera.

LEIA MAIS: Dólar fecha em maior patamar desde 30 de maio

Às 10h16, o dólar recuava 0,34%, a R$ 3,9438 na venda. Na segunda-feira, o dólar fechou com alta de 1,68%, a R$ 3,9572 na venda, o maior patamar desde 30 de maio. O dólar futuro de maior liquidez perdia cerca de 0,5% neste pregão.

A divisa brasileira recuperava parte de suas perdas nesta terça-feira acompanhando o exterior, onde a aversão ao risco era mais moderada neste pregão depois que o banco central chinês atuou para conter a queda do yuan.

Ontem, a moeda chinesa caiu e rompeu a barreira psicológica dos 7 por dólar sem que o banco central agisse para conter o movimento, com aval do governo.

A decisão levou o governo norte-americano a classificar a China de manipuladora cambial, ao que o governo chinês respondeu que vai “prejudicar seriamente a ordem financeira internacional e provocar caos nos mercados financeiros”, renovando as tensões entre as duas potências econômicas e mantendo investidores cautelosos nesta terça-feira.

“É difícil ‘comprar’ a ideia de que o mau humor passou, sendo o pano de fundo ainda de bastante cautela com a rápida escalada nas tensões entre EUA e China”, avaliou a equipe da corretora H.Commcor, em nota.

O índice do dólar contra uma cesta de moedas também recuperava perdas neste pregão, subindo 0,17%, a 97.683.

Internamente, o mercado acompanha a retomada dos trabalhos no Congresso, mais notadamente a votação da reforma da Previdência em segundo turno, que pode começar já nesta terça-feira.

VEJA TAMBÉM: Dólar supera R$ 3,94 com aversão ao risco no exterior
As tratativas já começaram na segunda-feira, em encontros do presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e Senado, Davi Alcolumbre, com o ministro da Economia, Paulo Guedes, além de uma reunião de Maia com líderes.

Agentes financeiros avaliam que desdobramentos positivos ligados à Previdência nos próximos dias podem ajudar a valorizar o real, mas a cena externa ainda segue fazendo grande pressão no câmbio.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 11 mil contratos de swap cambial tradicional, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento outubro de 2019.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).