Dólar futuro bate R$ 4 com guerra comercial

Getty Images
Dólar fecha o dia a R$ 3,9749, maior patamar desde maio

O dólar voltou a subir hoje (7), com a cotação no mercado futuro batendo a marca psicológica de R$ 4 pela primeira vez desde o fim de maio, em novo dia de desvalorização de divisas emergentes diante de persistentes incertezas causadas pela guerra comercial iniciada pelos Estados Unidos contra a China.

LEIA MAIS: Dólar supera R$ 3,99 ante real na abertura

A máxima de R$ 4,0000 no dólar futuro foi alcançada por volta de 10h15. A moeda se manteve perto desse patamar até perto de 13h30, a partir de quando perdeu força. Ainda assim, por volta de 17h20, o dólar futuro subia 0,30%, a R$ 3,9800 reais. As operações no mercado futuro da B3 vão até as 18h.

No segmento à vista, que encerrou às 17h, o dólar teve ganho de 0,48%, a R$ 3,9749 na venda. É o maior patamar de fechamento desde 30 de maio (R$ 3,979). No pico intradia, o dólar spot foi a R$ 3,9935.

Embora ainda tenha subido, a moeda saiu das máximas do dia, enquanto no exterior os mercados esboçaram reação depois de um começo de dia mais negativo. “[Mas] essa recuperação é para vender [ativos de risco]. Não confio. Estou vendendo S&P 500, comprando mais dólar/real e [estou] marginalmente vendido em Ibovespa”, disse Renoir Vieira, gestor do family office Pacific Investimentos.

No exterior, divisas demandadas em tempos de incerteza, como iene japonês e franco suíço, lideravam os ganhos nesta sessão nos mercados de câmbio, enquanto moedas associadas ao risco, como dólar neozelandês e peso colombiano tinham firme depreciação.

Apesar das incertezas, analistas ainda acreditam que o real vai se valorizar nos próximos meses, amparado por fluxos atraídos por medidas pró-mercado do governo brasileiro. Pesquisa Reuters divulgada nesta quarta mostrou expectativa de que o dólar caia a R$ 3,74 em 12 meses.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).