Ópera investiga acusações de assédio de Plácido Domingo

Shannon Stapleton/Reuters
Oito cantoras, uma dançarina e outras personagens da música clássica o acusam

A Ópera de Los Angeles informou que investigará acusações de má conduta sexual contra o tenor espanhol Plácido Domingo, que descreveu as alegações como “imprecisas”. A Ópera de Los Angeles, da qual Domingo é diretor-geral, respondeu a acusações realizadas por oito cantoras, uma dançarina e outras personagens do mundo da música clássica, em uma reportagem da Associated Press.

A agência de notícias publicou as alegações de comportamento inapropriado feitas pelas mulheres depois de conversar com quase três dúzias de outros músicos, professores de canto e funcionários dos bastidores que disseram testemunhar o que a reportagem descreveu como comportamento de “cunho sexual” por parte de Domingo, a partir de três décadas atrás, em várias cidades.

LEIA MAIS: Conselho da Alphabet é processado em caso de assédio sexual

“A Ópera de Los Angeles buscará assessoria externa para investigar as alegações preocupantes contra Plácido Domingo”, disse a casa, em um comunicado. A Ópera de LA está “comprometida em fazer tudo que puder para nutrir um ambiente profissional e colaborativo, no qual todos nossos funcionários e artistas possam se sentir igualmente confortáveis, valorizados e respeitados”.

Domingo, em um comunicado distribuído pela sua relações públicas Nancy Seltzer, chamou as acusações de “profundamente preocupantes e, como apresentadas, imprecisas”. “Mesmo assim, ainda é doloroso ouvir que eu possa ter chateado alguém ou deixá-las desconfortáveis -independentemente de quanto tempo faz ou das minhas melhores intenções”, disse o comunicado de Domingo. “Eu acreditava que todas minhas interações e relações haviam sido acolhidas e consensuais.”

A Ópera de San Francisco e a Orquestra da Filadélfia informaram que cancelaram apresentações de Domingo em setembro e outubro.

A Metropolitan Ópera de Nova York, onde Domingo deve se apresentar em “Macbeth”, no próximo mês, e “Madame Butterfly”, em novembro, disse, em um comunicado, que levou as acusações de assédio sexual e abuso de poder a sério, mas aguardaria os resultados da investigação da Ópera de Los Angeles “antes de tomar decisões finais sobre o futuro do senhor Domingo no Met”.

Domingo, 78 anos, é um dos mais famosos cantores e diretores de ópera no mundo, a Ópera de Los Angles o descreveu, na terça-feira, como uma “força dinâmica” presente no estabelecimento por mais de 30 anos. Ele foi um dos “Três Tenores”, ao lado de José Carreras e Luciano Pavarotti, que levaram a ópera a um público mais amplo, com apresentações ao redor do mundo nos anos 1990.

No comunicado enviado pela sua representante, Domingo acrescentou que, embora não tenha intencionalmente ferido, ofendido ou envergonhado ninguém, “reconhece que as regras e padrões pelos quais somos -e deveríamos ser- medidos atualmente são muito diferentes daqueles do passado”.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).