WeWork mostra aumento do prejuízo em registro de IPO

Reuters
A empresa foi avaliada em janeiro em 47 bilhões de dólares em uma rodada privada de captação de recursos

A proprietária do WeWork, a The We Company hoje (14) pediu registro para uma oferta pública inicial e divulgou demonstrações financeiras detalhadas pela primeira vez, que mostraram que a empresa perdeu quase US$ 700 milhões no primeiro semestre de 2019, enquanto dobrou sua receita.

LEIA MAIS: WeWork quer emitir até US$ 4 bi em dívidas antes de IPO

O registro preliminar da Securities and Exchange Commission dá um passo na direção de uma listagem planejada para o mês que vem, e ocorre em um momento em que os mercados acionários estão em crise devido a uma prolongada guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

Este ano tem sido o maior para IPOs dos EUA desde 2014, com a Uber e a Lyft fazendo sua tão esperada estreia no mercado.

Os rivais, porém, têm tido dificuldades desde a listagem, com investidores cautelosos com os bilhões de dólares em prejuízos e com a ausência de um cronograma para atingir a lucratividade.

Com suas perdas acentuadas, a WeWork enfrenta alguns dos mesmos ventos contrários. Seu modelo de negócios,baseado em contratos de receita de curto prazo e obrigações de empréstimos de longo prazo, tem enfrentado ceticismo dos investidores.

Ainda assim, a receita aumentou à medida que a empresa sacode a locação de escritórios, oferecendo contratos de curto prazo a startups e empreendedores em vez de contratos tradicionais de longo prazo. Também gera uma receita maior por metro quadrado do que os proprietários, ao colocar mais pessoas em um espaço.

VEJA TAMBÉM: WeWork entra em confidencialidade para IPO

A empresa foi avaliada em janeiro em 47 bilhões de dólares em uma rodada privada de captação de recursos, segundo o provedor de dados PitchBook.

O registro do IPO fornece o quadro financeiro mais abrangente até agora da empresa co-fundada por seu presidente-executivo, Adam Neumann, em 2010. A empresa relatou anteriormente que perdeu quase 2 bilhões de dólares em 2018, ao investir pesado para expandir seus negócios.

Entre o que foi divulgado no registro, a WeWork reportou um prejuízo líquido atribuível à companhia de US$ 689,7 milhões nos seis meses encerrados em 30 de junho, comparado com uma perda de US$ 628,1 milhões no ano anterior.

No mesmo período, a receita mais que dobrou para US$ 1,54 bilhão.

A empresa também não deu um prazo para se tornar rentável, uma vez que continua a investir na expansão de suas operações.

E AINDA: O impacto econômico da WeWork nas cidades

A companhia, que opera em 528 instalações em 111 cidades de 29 países, disse que espera “expandir-se agressivamente em nossas cidades existentes, bem como chegar a até 169 cidades adicionais”.

A WeWork, cujos investidores atuais incluem o SoftBank do Japão, não divulgou quanto pretende captar no IPO e qual preço irá buscar.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).