Como Kim Kardashian ajudou o ex-bilionário Raj Rajaratnam a sair da cadeia

Reprodução Forbes/Spencer Platt/GettyImages
O ex-bilionário Raj Rajaratnam foi discretamente liberado para prisão domiciliar

Resumo:

  • O First Step Act concede a criminosos não-violentos, a libertação antecipada tiverem mais de 60 anos ou uma doença terminal; 
  • Raj Rajaratnam foi preso por abuso de informação privilegiada; 
  • Kim Kardashian se envolveu tanto com a causa que agora dedica seu tempo aos estudos de direito.

LEIA MAIS: Kim Kardashian estuda Direito após ajudar a reduzir pena de detentas

Cerca de dois anos antes do final de sua sentença de 11 anos de prisão por abuso de informação privilegiada, o ex-bilionário Raj Rajaratnam, gerente de fundos de cobertura, foi discretamente liberado para prisão domiciliar. Tudo isso graças a uma nova lei federal que Kim Kardashian havia feito lobby para o presidente dos EUA, Donald Trump, assinar

  • Kim Kardashian ajudou a obter aprovação do presidente Trump para o  First Step Act, de 2018. Tal regimento concede a criminosos não-violentos, particularmente os condenados por acusações relacionadas a drogas, a libertação antecipada da prisão se tiverem mais de 60 anos ou uma doença terminal.
  • Rajaratnam, cujo patrimônio líquido a Forbes estimava em US$ 1,3 bilhão em 2009, quando estava entre os 400 americanos mais ricos, beneficiou-se da nova deliberação e foi libertado em 23 de julho. A “Bloomberg” divulgou a liberação na última sexta-feira (6).
  • A lei visa ajudar a desfazer os efeitos do encarceramento em massa, que tomou forma na década de 1990 com afro-americanos sendo presos em uma taxa muito maior do que os brancos. 
  • Parece que Rajaratnam se qualificou na lei devido à sua idade (ele agora tem 62 anos) e à sua saúde (relatou ter diabetes avançado). Rajaratnam cumprirá o restante de sua sentença no Upper East Side de Manhattan e poderá sair de casa para trabalhar durante o dia.
  • A incursão de Kim Kardashian na reforma penitenciária começou em maio de 2018, quando ela visitou a Casa Branca (e foi fotografada atrás da mesa com Trump) durante uma discussão de clemência por Alicia Marie Johnson, uma mulher idosa e ré primária que cumpria pena de prisão perpétua por formação de quadrilha e tráfico de drogas. Depois de ajudar a garantir a libertação antecipada de Alicia, Kim decidiu se tornar advogada. Assumiu um estágio em um escritório de advocacia de San Francisco, onde ajudou a trabalhar na lei em questão e planeja fazer o exame da ordem em 2022.

A acusação contra Rajaratnam foi uma das primeiras a usar as escutas telefônicas para investigar informações privilegiadas. Antes disso, a técnica era usada para investigar o crime organizado.

Rajaratnam, um cingalês de nascimento, ganhou destaque no mundo financeiro de Nova York nos anos 1990. Aos 34, ele era presidente do Needham & Co., um banco de investimentos de butique, e começou a fundar o fundo de cobertura do Galleon Group, que em seu pico administrava mais de US$ 7 bilhões. Em outubro de 2009, ele foi preso por abuso de informação privilegiada, com os promotores alegando que ele ganhou US$ 72 milhões. Os investidores acabaram retirando mais de US$ 1,3 bilhão do Galleon Group, causando o colapso da empresa. Rajaratnam quase pegou 19 anos de prisão, mas foi condenado a 11.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).