Os 50 melhores restaurantes do mundo em 2018

Os 50 melhores restaurantes do mundo (The World’s 50 Best Restaurants) de 2018, premiação realizada pela publicação britânica “Restaurant”, foram anunciados ontem (19), no Palácio Euskalduna, em Bilbao, na Espanha. Tastemakers de todo o mundo chegaram ao País Basco nos dias que antecederam a cerimônia para aproveitar a culinária excepcional da região e prestigiar restaurantes aclamados – como o Azurmendi, do chef Eneko Atxa, a 20 minutos da cidade anfitriã, e o Arzak, na vizinha San Sebastián. Houve até uma celebração do 20º aniversário do Mugaritz, onde os participantes se divertiram na pista de dança improvisada, provaram petiscos, beberam vinho e gim-tônica e até participaram de algumas rodadas de cabo-de-guerra – a etapa final resultou em uma corda rompida e ambas as equipes caindo no chão às gargalhadas.

VEJA TEMBÉM: Como os restaurantes podem ajudar seus funcionários

Enquanto sobravam festividades, ainda havia trabalho a ser feito. No domingo (17), os chefs Joan Roca, Gaggan Anand, Eneko Atxa, Dan Barber, Paul Pairet, Christina Tosi e Clare Smyth – vencedora da categoria Melhor Chef Mulher do Mundo -, subiram ao palco do Basque Culinary Center, em Donostia, para participar de uma série de palestras e discussões sobre questões como sustentabilidade e a presença feminina na indústria. No dia seguinte, os renomados chefs Massimo Bottura e Alain Passard, a artista Joana Vasconcelos e o arquiteto Giulio Cappellini reuniram-se no Museu Guggenheim, em Bilbao, e conversaram sobre como a comida e a arte se entrelaçam.

Todos esses eventos foram realizados antes da grande revelação da última noite, onde os melhores representantes da culinária mundial estavam reunidos em um único lugar e aguardavam as classificações deste ano. Nas últimas cinco edições, houve um trio de restaurantes que se revezaram nas cinco primeiras posições: a Osteria Francescana (Modena, Itália), dirigida pelo vivaz Massimo Bottura; o El Celler de Can Roca (Girona, Espanha), que ocupou o topo do ranking duas vezes; e o Eleven Madison Park (Nova York, EUA), que conquistou o primeiro lugar no ano passado e foi o primeiro restaurante norte-americano a conseguir esse reconhecimento desde 2004.

O Noma, outro renomado estabelecimento e um dos principais ganhadores por quatro anos não consecutivos desde o lançamento do ranking em 2002, não fez parte da lista em 2017, uma vez que restaurantes que estão fechados ou em preparação para encerrar as atividades não são elegíveis – embora René Redzepi tenha reaberto seu famoso espaço em fevereiro, era tarde demais para ser considerado na lista de 2018.

Este ano, a Osteria Francescana recuperou o título de melhor restaurante do mundo. O Eleven Madison Park caiu para o 4º lugar. Copropriedade do chef Daniel Humm e do restaurateur Will Guidara, o aclamado espaço da cidade de Nova York fechou durante o verão para um período de reformas e reabrirá em outubro com novo visual, bar renovado e menu repaginado. Enquanto isso, o Gaggan e seu chef Gaggan Anand se tornaram o primeiro restaurante e o primeiro chef asiáticos a passar pela 7ª posição e aterrissar no Top 5. Já o intimista Den, localizado em Tóquio, Japão, e dirigido por um acolhedor chef de cozinha, deu um salto surpreendente e merecido do 45º para o 17º lugar.

E AINDA: Os restaurantes estrelados do Guia Michelin 2018 São Paulo e Rio de Janeiro

O Brasil continua tendo um único – e mesmo – representante na lista: o D.O.M., do chef Alex Atala, em São Paulo, que ocupa a 30ª posição contra a 16ª na edição 2017 e a 11ª de 2016.

Mas há duas grandes omissões na lista deste ano: o Core by Clare Smyth e o Atelier Crenn. Mais uma vez, a organização deixou de fora do ranking geral um estabelecimento cujo profissional foi eleito na categoria Melhor Chef Mulher do Mundo, o que também aconteceu em 2016, quando Dominique Crenn, do Atelier Crenn, foi reconhecida com o mesmo título. Agora, depois de ter classificado em 83º lugar no ano passado, o Atelier Crenn foi totalmente retirado da lista.

A chef Dominique tem sido uma defensora das mulheres no setor de hospitalidade e até já expôs a desigualdade de gênero e a falta de representatividade no mercado. É possível até supor que tais críticas sinceras tenha provocado sua remoção da lista, especialmente ao considerar que Dominique é, sem dúvida, uma das chefs atuais mais inventivas dos Estados Unidos, reconhecida por muitos críticos. No entanto, Ana Roš, vencedora do mesmo prêmio em 2017, subiu para o Top 50 com seu restaurante Hiša Franko. Agora existem cinco mulheres chefs na lista (duas a mais do que no ano passado), mas ainda há um longo caminho a ser percorrido até que elas obtenham o devido reconhecimento em uma indústria dominada por homens.

Veja, na galeria de fotos abaixo, os 50 melhores restaurantes do mundo:

  • 1. Osteria Francescana (Modena, Itália)

  • 2. El Celler de Can Roca (Girona, Espanha)

  • 3. Mirazur (Menton, França)

  • 4. Eleven Madison Park (Nova York, Estados Unidos)

  • 5. Gaggan (Bangcoc, Tailândia)

  • 6. Central (Lima, Peru)

  • 7. Maido (Lima, Peru)

  • 8. Arpège (Paris, França)

  • 9. Mugaritz (San Sebastián, Espanha)

  • 10. Asador Etxebarri (Axpe, Espanha)

  • 11. Quintonil (Cidade do México, México)

  • 12. Blue Hill at Stone Barns (Pocantico Hills, Estados Unidos)

  • 13. Pujol (Cidade do México, México)

  • 14. Steirereck (Viena, Áustria)

  • 15. White Rabbit (Moscou, Rússia)

  • 16. Piazza Duomo (Alba, Itália)

  • 17. Den (Tóquio, Japão)

  • 18. Disfrutar (Barcelona, Espanha)

  • 19. Geranium (Copenhagen, Dinamarca)

  • 20. Attica (Melbourne, Austrália)

  • 21. Alain Ducasse au Plaza Athénée (Paris, França)

  • 22. Narisawa (Tóquio, Japão)

  • 23. Le Calandre (Rubano, Itália)

  • 24. Ultraviolet by Paul Pairet (Shanghai, China)

  • 25. Cosme (Nova York, EUA)

  • 26. Le Bernardin (Nova York, EUA)

  • 27. Boragó (Santiago, Chile)

  • 28. Odette (Cidade de Singapura, Singapura)

  • 29. Alléno Paris au Pavillon Ledoyen (Paris, França)

  • 30. D.O.M. (São Paulo, Brasil)

  • 31. Arzak (San Sebastián, Espanha)

  • 32. Tickets (Barcelona, Espanha)

  • 33. The Clove Club (Londres, Inglaterra)

  • 34. Alinea (Chicago, EUA)

  • 35. Maaemo (Oslo, Noruega)

  • 36. Reale (Castel di Sangro, Itália)

  • 37. Restaurant Tim Raue (Berlim, Alemanha)

  • 38. Lyle’s (Londres, Inglaterra)

  • 39. Astrid y Gastón (Lima, Peru)

  • 40. Septime (Paris, França)

  • 41. Nihonryori RyuGin (Tóquio, Japão)

  • 42. The Ledbury (Londres, Inglaterra)

  • 43. Azurmendi (Larrabetzu, Espanha)

  • 44. Mikla (Istanbul, Turquia)

  • 45. Dinner by Heston Blumenthal (Londres, Inglaterra)

  • 46. Saison (São Francisco, EUA)

  • 47. Schloss Schauenstein (Fürstenau, Suíça)

  • 48. Hiša Franko (Kobarid, Eslovênia)

  • 49. Nahm (Bangcoc, Tailândia)

  • 50. The Test Kitchen (Cape Town, África do Sul)

1. Osteria Francescana (Modena, Itália)

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).