10 locais com as maiores taxas extras de resort nos EUA

10 locais com as maiores taxas extras de resort nos EUA - iStock
O número de hotéis com cobrança de taxas extras obrigatórias subiu 14% entre julho de 2017 e julho de 2018.

Um novo relatório sobre os custos em resorts sugere que as sobretaxas obrigatórias (chamadas de “resort fee”) estão se espalhando mais rápido do que um incêndio no verão. Essas taxas podem se tornar uma verdadeira dor de cabeça para os viajantes, por serem extras inegociáveis apresentados no momento do check-out.

VEJA TAMBÉM: 9 novos resorts de praia para visitar

Nos últimos 12 meses encerrados em julho, o número de hotéis com cobrança de taxas de resort controversas cresceu 14%, segundo o “Resort Fee Checker”, site que acompanha os custos desses tipos de estabelecimentos. “Continuo a ver o valor cobrado por noite crescer drasticamente”, afirma Randy Greencorn, editor da publicação. No geral, esses valores aumentam em quase 11% ao ano, e o preço médio agora é de cerca de US$ 21 por noite.

A Flórida é a casa do resort fee. O estado ensolarado tem as duas principais cidades na lista e quatro no Top 10. Las Vegas, Honolulu e Nova York também têm altos encargos, porém o crescimento mais dramático é na Big Apple, onde o número de hotéis dobrou em relação ao ano passado.

O “Resort Fee Checker” também rastreia propriedades individuais que cobram esse extra. As experiências relatadas neste caso podem ser ainda mais perturbadoras. A lista inclui uma propriedade em Miami que cobra US$ 160 por noite como resort fee, maior do que a tarifa média de acomodação em muitas cidades dos EUA. Uma outra propriedade em Myrtle Beach cobra dos hóspedes um adicional de US$ 84 por noite.

Mas o que os viajantes realmente detestam nas resort fee, que incluem comodidades como wi-fi e acesso à academia? Tudo. Quando fornecem os preços, os hotéis normalmente citam uma taxa inicial que não inclui a resort fee, o que dá aos hóspedes a ilusão de um preço mais baixo. À medida que eles avançam para a tela final da reserva, os hotéis adicionam impostos e taxas de resort obrigatórias. É aí que está a surpresa.

E AINDA: 5 motivos para visitar o Acqualina Resort & Spa, na Flórida

Esse tipo de sobretaxa, conhecida como precificação a conta gotas, foi quase banida pela Comissão Federal de Comércio dos EUA há alguns anos. Porém, o governo recuou após a eleição presidencial. Enquanto isso, a Austrália assumiu a liderança nas regulamentações de taxas cobradas dos consumidores, exigindo que o preço apresentado seja igual ao valor integral pago.

Os hotéis alegam que as taxas de resort permitem que os hóspedes tenham uma experiência vasta durante a estadia. E, embora isso seja tecnicamente verdadeiro, o fato de a taxa não ser, às vezes, informada até o momento do pagamento online ou pelo telefone é ignorado. Além disso, os hóspedes quase nunca têm opção. Não usar a piscina ou o equipamento para exercícios não significa que sua fatura terá menos encargos no que diz respeito às taxas de resort. E os hóspedes consideram isso errado.

O que essa lista de custos de resort significa

Existem alguns temas comuns nessas taxas de resort que levantam questões importantes: encontrar informações sobre as tarifas é difícil. Muitos hotéis não têm uma página dedicada que explique suas taxas obrigatórias. Outros nem sequer divulgam os custos até o hóspede entrar no processo de reserva. Se os hotéis acreditam que este é um ótimo negócio, por que esconder isso?

Palavras como “grátis” e “cortesia” geralmente aparecem nas descrições dos serviços oferecidos. O exemplo mais notório são as ligações gratuitas. Mas “grátis” significa que os hóspedes não pagam por elas, porém eles devem pagar uma taxa diária de resort. O serviço pode, então, ser realmente considerado gratuito?

LEIA MAIS: Deserto na Califórnia ganha luxuoso resort

Quando pressionados para explicar os valores cobrados, os hotéis anunciam orgulhosamente que as cobranças exigidas tornam a estadia “mais inclusivas”. Mas, na verdade, as comodidades listadas e taxadas estão carregadas de restrições significativas. Em pelo menos um caso, a tarifa não inclui estacionamento. Se os custos do resort incluírem uma estadia no hotel, qual o sentido em pagar mais pelo estacionamento e outras comodidades, como o acesso rápido à internet?

À medida que as taxas de resort se expandem, os hotéis ficarão sob maior pressão para responder a essas perguntas simples. Se eles não puderem, não será surpresa se o governo colocar um fim no que muitos consideram uma prática comercial injusta e enganosa.

Veja, na galeria de imagens a seguir, as 10 cidades com as maiores taxas de resort, bem como o hotel com a taxa mais alta. Todas as informações são provenientes do site “Resort Fee Checker”, exceto onde indicado, e correspondem até a data de 1º de agosto.

  • Miami (Flórida)

    Resort fee médio: US$ 25 por noite
    Variação em relação a 2017: + 6,6%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 146
    Maior tarifa: Fisher Island Club and Resort (US$ 160 por noite). Também é a mais alta dos Estados Unidos.

    Experiências incluídas: a taxa permite acesso ao clube privado de golfe à beira-mar mais exclusivo do sul da Flórida, clube de tênis, restaurantes casuais e refinados, spa, salão de beleza, espaço de bem-estar, clube de praia, piscina Vanderbilt Mansion e acesso aos eventos exclusivos do clube.

  • Orlando (Flórida)

    Resort fee médio: US$ 14 por noite
    Variação em relação a 2017: + 9,2%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 141
    Maior tarifa: Waldorf Astoria Orlando (US$ 40 por noite)

    Experiências incluídas: a taxa de resort do Waldorf Astoria Orlando inclui wi-fi premium em todo o resort e áreas públicas, dois drinques de boas-vindas, acesso ao spa e à academia, aluguel de bicicletas (conforme disponibilidade), acesso às instalações esportivas do Waldorf Astoria Golf Club, aluguel “cortesia” do clube de golfe depois das 14 horas, 10% de desconto em tratamentos do spa e aluguel de cabana na piscina, além de “acesso ilimitado” a ligações locais e chamadas gratuitas no quarto.

  • Las Vegas (Nevada)

    Resort fee médio: US$ 29 por noite
    Variação em relação a 2017: + 9,7%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 107
    Maior tarifa: Mandarin Oriental (US$ 51 por noite)

    Experiências incluídas: o hotel não tem uma página dedicada às suas taxas de resort, que são apresentadas apenas durante o processo de reserva online. Mas lista as seguintes comodidades para os quartos: conteúdo digital sob demanda, pia dupla, roupa de cama de plumas de ganso, TV HD, wi-fi de alta velocidade, ampla mesa de trabalho, roupões macios, banheiro-spa e serviço de limpeza duas vezes ao dia.

  • Nova York (Nova York)

    Resort fee médio: US$ 28 por noite
    Variação em relação a 2017: + 15,8%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 92
    Maior tarifa: Hotel 48LEX New York (US$ 58 por noite)

    Experiências incluídas: o programa House Privileges do 48LEX oferece “uma variedade de serviços e comodidades personalizados”. A taxa, “convenientemente adicionada”, garante uma “estadia relaxante, sem esforço e luxuosa”, que inclui um
    café da manhã leve, servido diariamente no lounge do segundo andar, café e chás gourmet o dia todo, chá da tarde, vinhos e queijos à noite, acesso ao lounge, serviço de cama à noite “sob demanda”, wi-fi premium para todos os dispositivos, água engarrafada no quarto e acesso às instalações de fitness. Ao contrário do que foi apurado pelo site especializado, o site 48LEX diz que a taxa de resort é de US$ 30 por noite.

  • Oahu (Havaí)

    Resort fee médio: US$ 25 por noite
    Variação em relação a 2017: + 10,4%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 64
    Maior tarifa: Alohilani Resort Waikiki Beach (US$ 35 por noite)

    Experiências incluídas: a taxa diária de serviço do hotel cobre acesso sem fio à internet de alta velocidade, dois drinques Mai Tai de boas-vindas, fitness center e acesso ao spa, aulas de cultura havaiana, comodidades no deque da piscina, água, café e espaço de trabalho disponível 24 horas, serviços de impressão e cópia de cartões de embarque, armazenamento de pranchas de surfe, chamadas telefônicas locais e internacionais ilimitadas de 60 minutos e buffet de café da manhã para crianças menores de cinco anos. Segundo o site “Travel Hawaii”, a taxa renderá, só este ano, US$ 9 milhões ao hotel, e não inclui estacionamento, que custa US$ 25 por dia, mais impostos.

  • Myrtle Beach (Carolina do Sul)

    Resort fee médio: US$ 13 por noite
    Variação em relação a 2017: + 23%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 64
    Maior tarifa: Plantation Resort, em Surfside Beach (US$ 84 por noite). É a quarta maior taxa de resort da lista.

    Experiências incluídas: o resort não explica a taxa em seu site, mas suas comodidades incluem “brisa semi-tropical enquanto você relaxa na piscina”, um playground aquático no local rodeado por um rio de correnteza leve, banheira de hidromassagem aquecida, disponibilidade de atividades ao ar livre – como golfe, ciclismo e natação.

  • San Diego (Califórnia)

    Resort fee médio: US$ 22 por noite
    Variação em relação a 2017: + 13,7%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 45
    Maior tarifa: Fairmont Grand Del Mar (US$ 40 por noite)

    Experiências incluídas: a taxa diária de resort, que “oferece uma estadia aprimorada”, inclui acesso à internet em todo o resort, chamadas locais e interurbanas, estacionamento sem manobrista, aulas diárias de ginástica e ioga, instalações para prática de golfe, quadras de tênis de padrão profissional, café, chá e água engarrafada no quarto, jornal digital diário, engraxamento de sapatos e passeios guiados nas manhãs de sábado em Los Peñasquitos Canyon Preserve.

  • Fort Lauderdale (Flórida)

    Resort fee médio: US$ 19 por noite
    Variação em relação a 2017: – 10%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 44
    Maior tarifa: The Atlantic Hotel & Spa (US$ 37 por noite)

    Experiências incluídas: a taxa diária de resort do Atlantic cobre o wi-fi básico, business center 24 horas, uso de sauna seca e a vapor, banheira de hidromassagem, acesso à academia, drinques diários e água “de cortesia” no quarto.

  • Phoenix (Arizona)

    Resort fee médio: US$ 24 por noite
    Variação em relação a 2017: + 17,3%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 39
    Maior tarifa: Arizona Grand Resort (US$ 50 por noite)

    Experiências incluídas: a taxa de resort do hotel inclui acesso sem fio padrão de alta velocidade, quatro pulseiras para o parque aquático, acesso ao Athletic Club, estacionamento com manobrista e pernoite, café, jornais, serviço de transporte para o Arizona Mills Mall, chamadas locais ilimitadas, 20% de desconto em uma partida de golfe e um aperitivo “cortesia” no bar do saguão na compra de duas bebidas de igual valor.

  • Florida Keys (Flórida)

    Resort fee médio: US$ 24 por noite
    Variação em relação a 2017: – 3,6%
    Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 39
    Maior tarifa: Isla Bella Beach Resort (US$ 50 por noite)

    Experiências incluídas: o hotel não fornece tais informações, mas, segundo o Expedia, a taxa exigida inclui acesso à piscina, ao spa, à praia e às espreguiçadeiras. Também é permitido usar a academia, material e equipamentos esportivos, clube infantil, garagem de bicicletas, internet, fazer chamadas telefônicas, cofre, café e garrafa de água mineral no quarto, serviço de concierge, manobrista e estacionamento.

Miami (Flórida)

Resort fee médio: US$ 25 por noite
Variação em relação a 2017: + 6,6%
Número de hotéis onde a taxa é obrigatória: 146
Maior tarifa: Fisher Island Club and Resort (US$ 160 por noite). Também é a mais alta dos Estados Unidos.

Experiências incluídas: a taxa permite acesso ao clube privado de golfe à beira-mar mais exclusivo do sul da Flórida, clube de tênis, restaurantes casuais e refinados, spa, salão de beleza, espaço de bem-estar, clube de praia, piscina Vanderbilt Mansion e acesso aos eventos exclusivos do clube.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).