10 lugares que passam despercebidos em Veneza

iStock
A cidade italiana é associada à turistas e comércio, mas há muito mais

Na minha sétima visita a Veneza, optei em me concentrar nas partes mais negligenciadas pelos turistas.

LEIA MAIS: 7 praias espetaculares na Itália para visitar agora

Eu já visitei 120 países, e as pessoas sempre me perguntam qual é a minha cidade favorita. E eu sempre respondo que é Veneza. Alguns acham isso surpreendente, já que associam a cidade italiana a hordas de turistas e comércio. Se você se sente da mesma maneira, eu o desafio a conhecer esses 10 lugares. Eles o farão mudar de ideia.

Veja, na galeria de fotos abaixo, 10 lugares que passam desapercebidos pela maioria dos turistas em visita a Veneza:

  • 10. Gelateria Il Sole

    Alicia Pignoli, a mulher de vermelho no Kempinski San Clemente, disse que a Gelateria Il Sole pode ter o melhor gelato de Veneza. Fica na Fondamenta Zatterre, que é frequentemente ignorada por aqueles que se concentram na Piazza San Marco. A gelateria tem um cremoso sabor de avelã e fica em frente ao hotel Hilton. Cada bola custa € 2,50.

  • 9. Burano

    Alguns turistas mais ou menos intrépidos que querem fugir das multidões vão para Murano. Embora seja uma boa escolha, os verdadeiros intrépidos vão a Burano, que é mais distante. Ainda que leve muito mais tempo para chegar lá, o preço no vaporetto (táxi aquático) é o mesmo que qualquer outro destino em Veneza.

  • 8. Corte dell’Orso

    Às vezes, uma joia está bem embaixo do seu nariz. Embora o Corte dell’Orso esteja localizado no popular distrito de Rialto, é difícil encontrá-lo. Coma algo acompanhado de um copo de ombra (vinho). Embora esse vinho seja geralmente vermelho, também pode ser branco.

  • 7. Ilha de San Michele

    Isola di San Michele (Ilha de San Michele) é um grande cimitero (cemitério), que fica perto da parte principal de Veneza. Há uma igreja para ver, mas a principal razão para ir lá é encontrar algum tempo de silêncio. O acesso é fácil por vaporetto.

  • 6. Taverna al Renner

    Você pode ter uma boa refeição nesta taverna por menos de € 45 (US$ 50). Experimente o risoto ou o peixe.

  • 5. Giudecca

    Quando considerei morar em Veneza, pensei em morar em Burano, mas é um pouco longe de tudo. Murano fica perto da parte principal de Veneza, mas em frente à Piazza Marco. Já Giudecca é ideal porque você vê a parte mais excitante de Veneza, mas ninguém realmente vai lá. Portanto, tem-se uma uma ótima visão e tranquilidade ao mesmo tempo. Foi lá que o ator George Clooney se casou com a advogada Amal Alamuddin.

  • 4. The Castello District

    Erika Bello, a gerente de relações públicas e comunicação do hotel Kempinski San Clemente, nasceu e foi criada em Veneza. Embora ainda trabalhe lá, ela se mudou recentemente. Quando perguntei qual é a maior joia escondida da cidade, ela disse: “Os venezianos amam o distrito de Castello. É ao lado da Piazza San Marco, mas poucos turistas vão para lá”. Além do estaleiro militar, existem igrejas e restaurantes que vale a pena conferir. “A área de Castello é muito bonita, cheia de bares e restaurantes onde só os venezianos vão”, diz ela.

    Portanto, se você encontrar restaurantes lotados, é provável que seja de cidadãos locais. Uma maneira de saber quem é morador dos distritos venezianos é verificar as roupas secando ao ar livre.

  • 3. Bacareto Da Lele

    Vá para onde os estudantes universitários estão e, assim, você saberá que está fazendo um bom negócio. Você pode comprar um copo de vinho por menos de € 1,72 (US$ 2).

  • 2. Coma um cicchetti em Misericordia

    Como as refeições completas são muito caras, os venezianos (e muitos turistas) preferem um cicchetti (tapas ou um lanche). Embora você possa encontrá-los por toda a cidade, comê-los em Misericordia é especial, já que é possível conhecer alguns moradores e convencê-los de que você é um dos turistas bons.

  • 1. Ilha de San Clement

    Entre os séculos 15 e 16, San Clemente foi a porta de entrada de Veneza. O Doge levava sua barcaça chique (Il Bucintoro) até os visitantes importantes e, depois de cumprimentá-los, escoltava-os até a Piazza San Marco. Ao longo do caminho, ele oferecia entretenimento.

    Hoje é possível reviver esse ritual de graça. Poucos sabem sobre esse segredo.

    A Ilha de San Clemente tem uma história rica e fascinante. Foi fundada em 1131. Pietro Gattilesso, um comerciante veneziano, financiou a construção de uma igreja e de um hospício para peregrinos e soldados que se dirigiam para a Terra Santa. Originalmente, a igreja apresentava o estilo românico. San Clemente recebe o nome do papa Clemente I, um mártir e patrono dos marinheiros.

    Em 1288, as relíquias de Santo Aniano foram trazidas para a igreja. Após um período de declínio, San Clemente recuperou-se em 1432, quando o papa Eugene IV transferiu a ordem dos cânones de Latrão para a ilha. O mosteiro foi, então, aumentado. O estilo renascentista de Lombard substituiu o estilo românico.

    Em 1630, uma praga devastou Veneza. Os venezianos juraram que, se Deus impedisse a peste, eles construiriam uma capela dentro da igreja de San Clemente. Em 1643, cumpriram a promessa. Quinze anos mais tarde, os eremitas camaldulenses de Monte Corona compraram a Ilha de San Clemente. Nobres venezianos financiaram a restauração.

    A ilha é o lar do palácio Kempinski, com 190 quartos e um parque luxuoso. Há dois bares e um “bacaro”, que servem delícias culinárias. O restaurante Insieme serve café da manhã, enquanto o Acquerello tem uma vista dramática do terraço. La Dolce Bar fica ao lado da piscina. Uma pista de corrida de 1,5 km circunda a ilha. Claro, as refeições são caras, mas esse é o preço da exclusividade.

10. Gelateria Il Sole

Alicia Pignoli, a mulher de vermelho no Kempinski San Clemente, disse que a Gelateria Il Sole pode ter o melhor gelato de Veneza. Fica na Fondamenta Zatterre, que é frequentemente ignorada por aqueles que se concentram na Piazza San Marco. A gelateria tem um cremoso sabor de avelã e fica em frente ao hotel Hilton. Cada bola custa € 2,50.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).