6 champanhes non-vintage que você precisa conhecer

O champanhe é produzido em diferentes estilos e serve para acompanhar várias celebrações e momentos especiais em nossas vidas. Rosé Champagnes, por exemplo, tem uma natureza sexy e sedutora, ideal para momentos a dois, como o Dia dos Namorados, enquanto os champanhes de prestígio como Dom Perignon, Roderer Cristal e La Grand Dame, da Veuve Clicquot, estão entre os mais elegantes e graciosos desenvolvidos pelos franceses – e têm preços à altura.

VEJA TAMBÉM: Primeiros vinhos brasileiros recebem selo por produção

Além desses, estão os chamados cuvées non-vintages, que são as versões de colarinho azul de Champagne. Não há nada particularmente emocionante ou inspirador nesses vinhos, mas eles representam a espinha dorsal da região onde são produzidos. Todas as casas de champanhe, bem como a maioria dos pequenos produtores, apostam em um cuvée non-vintage que quase sempre representa o produto individual de maior destaque em seu portfólio – em grande escala, isso pode equivaler a milhões de garrafas de apenas um tipo.

Quando a produção é alta, um champanhe non-vintage – ou contemporâneo – torna-se um símbolo do produtor. Quando ele é lançado, todos os anos, a nova versão precisa ter gosto semelhante ao do lançamento anterior – um estilo que todo produtor de Champagne almeja. Consiga um cliente viciado em sua produção – que pode ter características delicadas ou mais poderosas, ser muito seco ou com um toque adocicado – e você terá um comprador fiel, que, com o tempo, poderá passar a adquirir outras versões do seu produto.

Alguns produtos non-vintage – o termo multi-vintage é, algumas vezes, utilizado também para descrever esse tipo de bebida – são muito famosos; como Moet & Chandon Impérial, Veuve Clicquot “Yellow Label” e Mumm Grand Cordon (antigo Cordon Rouge) são três dos mais conhecidos. No entanto, há muitos outros champanhes non-vintage bem feitos e atraentes que não são tão conhecidos, mas merecem estar em primeiro plano, já que o sabor, caráter e harmonia são realmente agradáveis.

E, quando as versões non-vintage unem qualidade com preços razoáveis, é uma combinação vencedora boa demais para deixar passar em branco.

Veja, na galeria de imagens a seguir, seis cuvées non-vintages com preços acessíveis que merecem destaque. Preços consultados na Wine-searcher.com.

  • Perrier-Jouët Grand Brut

    A Perrier-Jouët, localizada na Avenue de Champagne, em Epernay, é famosa não apenas por sua longa história, que começa em 1811, mas também por suas lindas e distintas flores na garrafa, conhecidas como “Belle Epoque”. O Grand Brut non-vintage da casa é muitas vezes esquecido. Uma mistura de 40% de Pinot Noir, 40% de Meunier e 20% de Chardonnay, há uma complexidade agradável de sabores de frutas de limão e ameixa, juntamente com distintos aromas de flores brancas. O resultado é um vinho seco, equilibrado e sedutor, com um toque de mineralidade que combina bem com muitos tipos de alimentos.

    Preço: US$ 18,45

  • Goutorbe-Bouillot “Reflets de Rivière”

    Pequeno produtor localizado em Damery, um pouco a oeste de Epernay, no distrito de Vallée de la Marne. Tal como acontece com muitos produtores da região, o Meunier é um tanto comum – na verdade, este Brut non-vintage é 60% Meunier, com 20% de Chardonnay e 20% de Pinot Noir.

    O Meunier oferece uma qualidade muito melhor do que muitas veze lhe é atribuída, e, neste cuvée, acrescenta um maravilhoso conjunto de perfumes, com notas de morango, mirtilo e um toque de fruta de caroço, como damasco e pêssego. Elegante, com constância e acidez viva, é uma jóia escondida. Aproveite este rótulo pelos próximos três ou cinco anos com alimentos que podem ir de aspargos grelhados com molho de manteiga ao pato assado.

    Preço: US$ 29,28

  • Leclerc Briant Brut Réserve

    A Leclerc Briant, localizada em Epernay, foi uma das primeiras grandes empresas na viticultura orgânica e biodinâmica em Champagne nos anos 1970 e 1980 – com práticas que continuam até hoje. A vinícola, de propriedade de um casal norte-americano, é administrada por Frédéric Zeimett e pelo enólogo Hervé Jestin, especialista em biodinâmica. Em 2003, a casa foi certificada pela Demeter, graças aos seus princípios biodinâmicos.

    O Brut Réserve, uma mistura 40% Pinot Noir, 40% Meunier e 20% Chardonnay, oferece aromas envolventes de raspas de limão, pêssego branco, maçã e creme de confeiteiro e tem uma bela frescura e excelente complexidade, juntamente com harmonia impecável e acidez refrescante. Trata-se de um Extra Brut (embora não seja rotulado como tal), mas não é excessivamente seco: a bebida é atraente e capaz de satisfazer uma ampla gama de gostos, desde iniciantes a veteranos degustadores de champanhe. Enquanto isso, o preço é extremamente justo, tornando-se um cuvée de excelente valor.

    Preço: US$ 27,76

  • Gosset Grand Réserve Brut

    Apesar da fama da casa de champanhe Gosset – no mercado há mais de 400 anos – ela sempre parece escapar do radar. Mas sua qualidade é extremamente alta, especialmente os non-vintage Brut (note que há outro NV Brut da Gosset chamado Brut Excellence, que é agradável, mas não tem a complexidade deste cuvée).

    Esta versão é uma mistura 43% Chardonnay, 42% Pinot Noir e 15% Meunier que combina boa acidez com fruta e bom peso no céu da boca. É ideal para alimentos que vão desde marisco a aves (frango assado com aspargos seria um emparelhamento ideal). Você também pode esperar algum tempo depois de comprar uma garrafa para degustar os adoráveis aromas toasty, que começam a se desenvolver de dois a três anos após a produção. Bom valor.

    Preço: US$ 19,36

  • Vadin-Plateau “Renaissance”

    A Vadin-Plateau, localizada em Cumieres, no Vallée de la Marne, existe desde 1785, mas poucas pessoas já ouviram falar a respeito. Seu cuvée non-vintage “Renaissance” é 100% Meunier, e oferece sabores ricos em frutas de pêra e morango com leve levedura. A acidez não é tão alta quanto a de muitos champanhes, o que significa que o final é redondo e macio, tornando-o um champanhe ideal para consumidores que não procuram algo excepcionalmente seco. Bem equilibrado, aproveite ao longo dos próximos dois a três anos com filé de vitela ou frango com molho de cogumelos.

    Preço: US$ 35,75

  • Boizel Brut Réserve

    De uma casa de gerência familiar em Epernay, esta mistura leva 55% de Pinot Noir, 30% de Chardonnay e 15% de Meunier. Os aromas têm notas de biscoito e algumas qualidades de noz com perfumes adicionais de pêra e mel. Meio cheio, seco, com boa acidez, tem grande harmonia e complexidade lindas – a soma das notas tem gosto de um cuvée mais caro, mas na verdade tem um ótimo valor. É atraente em si ou emparelhado com medalhões de vitela.

    Preço: US$ 32,99

Perrier-Jouët Grand Brut

A Perrier-Jouët, localizada na Avenue de Champagne, em Epernay, é famosa não apenas por sua longa história, que começa em 1811, mas também por suas lindas e distintas flores na garrafa, conhecidas como “Belle Epoque”. O Grand Brut non-vintage da casa é muitas vezes esquecido. Uma mistura de 40% de Pinot Noir, 40% de Meunier e 20% de Chardonnay, há uma complexidade agradável de sabores de frutas de limão e ameixa, juntamente com distintos aromas de flores brancas. O resultado é um vinho seco, equilibrado e sedutor, com um toque de mineralidade que combina bem com muitos tipos de alimentos.

Preço: US$ 18,45

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).