Conheça o melhor dos refúgios panamenhos

Reprodução
O local é um esconderijo de selva intimista, com espaço para apenas 18 convidados em nove casitas de teto inclinado cercadas por plantas.

Nem Ian Fleming, criador da série de espionagem “007”, sonharia com um resort tão luxuoso quanto o Islas Secas. A cabana ecológica de nove casitas é a única estrutura no arquipélago de 14 ilhas que leva o nome do hotel – e assim denominada por causa das marés baixas – a 32 km ao sul do Panamá continental. Estima-se que antes de o resort ter sido construído, a última habitação humana tenha sido há cerca de 600 anos. A aventura para o Islas Secas Reserve and Lodge começa em David, a 45 minutos de voo da Cidade do Panamá. A partir de lá, faz-se um passeio de barco tranquilo de uma hora, por meio de canais flanqueados por manguezais e depois pelo mar aberto. Os aglomerados rochosos de ilhas que ficam no caminho gradualmente vão sumindo e, então, não há nada além de você e o Pacífico, com o rico azul da água cristalina.

LEIA MAIS: 5 motivos para visitar o Acqualina Resort & Spa, na Flórida

Após 60 minutos de cruzeiro pelo Pacífico, os telhados do resort surgem do nada, como uma miragem. A ilha é totalmente movida a energia solar, com seus 1.556 painéis. A água dos hóspedes é filtrada por uma planta. Todos os restos de comida são usados ​​para fertilizantes. Os edifícios e móveis são feitos de madeira sustentável e recuperada. Não há garrafas plásticas descartáveis. E grande parte da produção é cultivada na ilha. No início de 2018, as Islas Secas hospedaram dois pesquisadores de baleias que estudam a espécie jubarte e, até 2020, os hóspedes poderão se juntar a eles na estação de pesquisa de campo que está sendo construída. O alojamento não é inteiramente isolado – o serviço móvel é limitado, mas há wi-fi rápido em todos os lugares, portanto, fotos dos mergulhos podem ir da GoPro para o Instagram imediatamente.

O local é um esconderijo de selva intimista, com espaço para apenas 18 convidados em nove casitas de teto inclinado cercadas por plantas. Paredes de madeira deixam entrar a luz do sol e a brisa do mar (mas não insetos). Cada casa tem uma cama de dossel feita de mogno reciclado da Índia e um espaçoso banheiro com chuveiro ao ar livre. Todas elas sã abastecidas com bebidas e lanches saudáveis. Há um ventilador de teto e ar condicionado para dormir confortavelmente. Os quatro locais de casita têm espreguiçadeiras e sofás sob quiosques, além de sedutoras piscinas que imploram por um mergulho.

Islas Secas é como um acampamento de verão de luxo para adultos, com prateleiras de equipamentos de mergulho, lanches e jogos na biblioteca. O lago gelado dá espaço para piscinas e um oceano quente e cristalino. E a cantina de um restaurante surge ao ar livre à beira-mar. No comando, está o concierge de aventura Rob Jameson, um britânico de cabelos escuros que, na verdade, trabalhou uma temporada como conselheiro do acampamento. Jameson adora diversão e quer que os hóspedes tenham o máximo possível dela. Sua paixão pela aventura é evidente pelo sorriso que cresce em seu rosto ao listar o catálogo de atividades – pesca, mergulho, vela, wakeboard, caiaque, paddleboarding, observação de baleias (sazonal), mergulho no Patrimônio da UNESCO Coba National Park e, é claro, navegação em um barco (bem abastecido com filtro solar biodegradável seguro para os recifes, toalhas Serena & Lily e um refrigerador repleto de comida e bebida).

VEJA TAMBÉM: Deserto na Califórnia ganha luxuoso resort

A equipe de gastronomia do The Terraza, comandada pelo chef panamenho Alexander Hey Rojas e pela canadense Katie Thurgood, tenta usar ingredientes locais sempre que possível – alguns tão locais que crescem a poucos metros da cozinha. Os chefs colhem grande parte de seus produtos nos jardins do resort, onde cocos, mangas, bananas, abacaxis e cajus estão disponíveis. Todos os frutos do mar são comprados de pescadores locais. A dupla trabalha em conjunto, com Rojas cozinhando comida de fusão panamenha e Katie fazendo quase tudo, de carnes curadas e peixe a massas, assados ​​e sorvetes. Seu pão de banana é incrível. As refeições são servidas no pavilhão de jantar à beira-mar ou no gramado, para quem quiser desfrutar do jogo de Cornhole (um jogo de pontaria, também conhecido como lançamento do saco de feijão) entre degustações de ceviche de mahi-mahi.

Um dos grandes apelos do Islas Secas é que ele faz com que os adultos se sintam despreocupados como crianças, portanto, o resort é ideal para famílias. A biblioteca é abastecida com jogos de tabuleiro como Twister, Connect Four, Jenga, Trivial Pursuit e Apples to Apples. No amplo gramado ao lado do restaurante há duas redes de renda e o conjunto do jogo de Cornhole. A praia em frente está pronta para a coleta de conchas. Depois de uma manhã de mergulho com tartarugas marinhas, tubarões-baleia, raias de águia e peixes tropicais, desça para almoçar em Isla Pargo, uma área privada de areia rodeada de palmeiras. As águas são quentes e rasas, e os funcionários que montam as lindas espreguiçadeiras e um banquete de champanhe servem como salva-vidas, vigiando crianças e adultos enquanto eles andam de caiaque, nadam e remam nas águas claras cristalinas.

Poucas horas em Islas Secas são suficientes para fazer com que o resto do mundo desapareça completamente. Os hóspedes que ficaram felizes em saber que havia wi-fi agoram deixam seus telefones para trás. Os dias ganham um ritmo perfeito. Não há nada como o café da manhã no pavilhão do restaurante, as horas na água, um nado noturno e a observação das estrelas depois do jantar.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).