Motivos para visitar Montreal durante o outono

Getty
Área de La Grande Roue de Montréal durante o outono.

A multidão foi embora e, com o clima mais frio, o apetite para provar a culinária francesa, quebequense e multicultural pela qual Montreal é famosa aumenta. A Vieux Montreal, a parte original de quase 400 anos da cidade, tem charme, arquitetura histórica, ruas de paralelepípedos e ótimos restaurantes, galerias e lojas, que fazem a visita valer a pena.

LEIA MAIS: Canadá legaliza maconha recreativa

Se você estiver no Hotel William Grey, uma fusão de dois edifícios do século 18 – um antigo armazém e uma residência construída por Edward-William Gray – a impressão é de uma combinação interessante entre xerife e comerciante. Com restaurações na parte externa que mantiveram a fachada original e interiores renovados, os prédios foram inaugurados como hotel em 2016, em um local que não podia ser mais central: a porta traseira do restaurante do hotel se abre para a Place Jacques Cartier, uma praça animada repleta de cafés. No interior, os quartos são modernos, minimalistas e aconchegantes, e alguns têm terraços com vista para as ruas históricas, o Porto Velho e a Grand Roue, a roda gigante da cidade. O café do último piso tem uma vista incrível, um dos motivos pelos quais é muito popular durante o pôr do sol.

Uma curta caminhada pela principal rua da área, a Rue Saint-Paul (uma parada interessante: a Cooperativa l’Empreinte de roupas e acessórios únicos), leva você à McGill Street e ao restaurante Pastel, inaugurado em junho. O visual é industrial, com tijolos irregulares expostos, contrastando com banquetas rosa-claro. O menu, canadense moderno, destaca os produtos de Quebec, com alguns pratos típicos – bucatini, cacio e pepe, com molho de lagosta e o salmão, tomate e vinagre de jerez -, mas os pratos que saem da cozinha aberta são mais complexos do que parecem, e todos têm um sabor único.

A poucos quarteirões, na direção oposta, do outro lado da Place Jacques Cartier, o Le Club Chasse et Pêche não é tão novo assim, mas é uma das melhores escolhas da cidade por sua atmosfera descontraída, ótimo cardápio e serviço de nível superior. Cada prato, até mesmo aqueles que soam familiares, atinge níveis diferentes do que você esperaria: vieiras grelhadas acompanhadas de um crocante purê de erva-doce e confit de limão e duas opções de pato com couve-flor e framboesas.

Outro favorito das listas de Montreal é o restaurante Toque!, graças ao perfeccionismo e senso de aventura do chef Normand Laprise. Seja para levar os clientes à sala fria da cozinha para serem apresentados a um recém-pescado atum ou para decorar um lombo de cordeiro perfeitamente tenro com purê de pimenta habanero, chanterelles, berinjela, tomate e abobrinha em molho de vinho tinto, o entusiasmo de Laprise na execução dos pratos está sempre em evidência.

Para ter uma visão geral da cena gastronômica do bairro, é bom andar com um guia da VDM Food Tours. Eles podem personalizar o atendimento por interesse. Eu, por exemplo, não estava preparado para o poutine, a famosa mistura de batatas fritas e queijo coalho coberta com um molho marrom de Quebec, então fomos atrás de patês e queijos em Marche de la Villette, doces em Christian Faure, xarope de ácer em todas as suas variedades e condimentos no Delices Erable et Cie e especialidades portuguesas, como croquetes e tortas de ovo no Cantinho de Lisboa, entre muitas outras coisas.

Para provar um pouco de outra especialidade de Montreal, a carne defumada (peito curado e temperado), vá até o Schwartz’s, no Boulevard Saint-Laurent, o lugar que tornou a carne famosa na cidade. Se a fila estiver muito longa, como na maioria das vezes, você pode atravessar a rua e provar pratos à base de pato no Main Deli Steak House. Os bagels, outra especialidade local, mais suaves e mais doces do que os de Nova York, são servidos no St-Viateur e no Fairmount, cujas lojas ficam abertas 24 horas mais ao norte, no bairro de Mile End, e disputam a preferência do público. O William Gray fica ao lado do St. Viateur, o que permite aos hóspedes experimentarem seus bagels no café da manhã.

Enquanto estiver na área para experimentar algumas iguarias, vale a pena subir alguns quarteirões do Boulevard Saint-Laurent para admirar as enormes pinturas de arte de rua nos edifícios criados para o “Mural Festival” deste ano.

De volta a Vieux Montreal, imagens ainda mais animadas são projetadas em edifícios como parte do projeto “Cite Memoire”, que conta a história da cidade por meio de seus personagens. Ao sincronizar com o aplicativo, você pode seguir um circuito ou simplesmente procurar a história de uma imagem pela qual você se interessou, como eu fiz ao andar pela Rue Saint Paul e olhar as vielas. Nesta época do ano, as projeções aumentam entre o anoitecer e as 23h, às sextas e sábados, até o final de dezembro. Uma delas parecia incrivelmente fantasmagórica, perfeita para o Halloween. Outra, mostrando ondas monumentais, trata nada menos que a criação do mundo.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).